28 janeiro 2018

[Resenha] Meia Guerra


Sinopse:
Apenas meia guerra é travada com espadas.
A outra metade é travada com palavras.
A princesa Skara vê todos os que ama morrerem na sua frente e o seu palácio ser consumido pelas chamas. Tudo o que lhe resta são palavras... Mas palavras podem ser tão letais quanto armas. Disposta a se vingar, ela enfrenta seus medos e aguça a inteligência, indo atrás de pai Yarvi.
O ministro de Gettland já percorreu um longo caminho desde a escravidão, fazendo aliados entre antigos rivais e estabelecendo uma paz instável. Porém, agora, a cruel avó Wexen arregimenta o maior exército desde que os elfos guerrearam contra a Divindade Única e põe Yilling, o Brilhante, como seu comandante – um homem que venera apenas a Morte.
Skara pode ser a peça que faltava para forjar de vez a aliança entre Gettland e Vansterland, alicerçada na fortaleza de seus antepassados, pronta a enfrentar a fúria do Rei Supremo. Nessa guerra, ela contará com o apoio de uma ministra inexperiente, mas leal, e de um matador imprudente que espera superar fantasmas de antigos conflitos sangrentos.
Neste último episódio da série Mar Despedaçado, finalista do British Fantasy Awards, Skara e Yarvi lideram a grande e aguardada batalha rumo a um desfecho inimaginável.

O que eu achei?
 Apesar de ser um preguiçoso assumido quando o assunto são trilogia e séries, a trilogia Mar Despedaçado foi uma das maiores e melhores – se não A maior e melhor – aventuras que eu já acompanhei.
Em Meia Guerra, livro final dessa trilogia escrita por Joe Abercrombie e lançada aqui no Brasil pela editora Arqueiro, nós iremos nos reencontrar com todos os grandes nomes dos livros anteriores: os tripulantes do Vento Sul; a indomável Thorn Bathu;os grandes reis Uthil e Grom-gil-Gorm; o astuto pai Yarvi. Enfim, muitos nomes irão reaparecer, e alguns irão surgir nesta história de vingança e cumprimento de velhos juramentos.
A jovem Skara, de Throveland, que perdeu absolutamente tudo, será um dos pontos principais nessa história, irá se juntar a Jenner, pirata que salvou sua vida. Mais vinganças serão prometidas. Mais juramentos serão feitos. E muito mais sangue será derramado.

Algo que eu jamais posso deixar de mencionar é como Joe Abercrombie é absolutamente excelente em criar e desenvolver suas personagens. Vemos Skara, uma jovem irritadiça – e levemente chata – se tornar numa mulher poderosa, inteligente, surpreendendo até a si mesma. E mais, ele não só soube criar e desenvolver, como soube manter e até mesmo ampliar questões de personalidade em suas personagens passadas, mostrando sua habilidade em manter o ritmo da história sem se perder. São personagens extremamente humanas, sem o glamour intocável das coroas, sem o clichê dos heróis destemidos; são humanos, que se entregam aos seus desejos, que agem por egoísmo da mesma forma que podem agir em favor dos seus. Há nessas pessoas tanta verdade quanto vemos nos livros de História.

Um dos pontos que eu sempre gostei muito nessa trilogia foi a filosofia criada pelo autor. Como o mundo está em guerra, é preciso de muita astúcia e inteligencia para lutar contra o maior poder que existe – no caso, o Rei Supremo e sua ministra, Avô Wexen. Abercrombie soube, com maestria, criar uma guerra não somente de espadas e escudos, mas de palavras e manipulações; de atitudes encobertas e decisões que podem ter consequências catastróficas.

Ainda, neste livro nos aprofundamos mais no extinto povo élfico, e sem suas magias, algo que sempre me despertou muita curiosidade nos outros livros, mas que nunca foram devidamente explicadas. E o que mais se impressionou foi a analogia que eu pude perceber quando, enfim, entendemos quem foram eles – contudo, porém, entretanto eu não direi mais além disso. Não quero estragar a leitura de vocês.

Acho que o que eu quero dizer, depois desses tantos elogios, é que essa história, que não se prende apenas no presente, mas busca respostas e decisões sábias – “do bem maior e menor mal” - tanto no passado quanto no futuro, vai muito além de um mundo em luta sangrenta pela liberdade, tanto política quanto religiosa. As personagens e seus questionamentos e posicionamentos diante de momentos avassaladoramente importantes nos faz entrar em sua pele, em sua mente; nós nos questionamos se seríamos capazes de tais atitudes, de decisões tão perigosas em busca daquilo que achamos justo, mesmo que nos pareça, de algum modo, uma decisão ou atitude injusta. E muitas decisões desse tipo devem ser tomadas por todos que se encontram nesse meio.

Algumas perdas nessa trajetória foram muito tristes, e renderam momentos de apertar o coração. Outras, surpresas de deixar nos boquiaberto. E como sempre, os segredos revelados são de abalar as estruturas de qualquer leitor, por mais forte que ele seja.

Encerrando essa trilogia de uma maneira que me deixa sem palavras para defini-la – depois de escrever tudo isso e achar que poderia falar muito e muito mais sobre o livro -, eu digo com toda a certeza do mundo que nunca li tramas tão bem criadas; reviravoltas tão impactantes; evoluções de personagens tão envolventes.
Uma história de luta e vingança, onde a justiça pende para o lado de quem fizer o que for preciso para vencer, e apontar os heróis e vilões às vezes se torna algo absurdamente difícil em meio a tantos jogos e alianças... bem, acho que deu para notar que Meia Guerra é um livro incrível. E que a trilogia deve ser um must-read para todo e qualquer leitor de uma boa história.

Para ler a resenha do livro 1, 'Meio 'Rei, clique Aqui
Para ler a resenha do livro 2, 'Meio Mundo, clique Aqui

3 comentários

  1. Adoro livros de Fantasia, vou colocar na minha lista. ♥

    www.freakandcreepy.com

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Desde o lançamento dessa série que tenho vontade de ler, justamente porque percebi que as personagens sã bem delineadas e o autor cria um mundo fantástico com vários seres diferentes interaginda, vários reinos e uma história fantástica bem desenvolvida.
    Bom ver que atrilogia terminou a contento.
    Desejo uma ótima semana, cheia de luz e paz!
    “Que o novo ano que se inicia seja repleto de felicidades e conquistas. Feliz ano novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Já gostei que a protagonista é mulher e uma guerreira, inteligente e poderosa! Eu evito ler séries, não por ter preguiça, mas por ter só o primeiro livro para ler! Odeio começar uma série e não poder continuá-la(o que acontece demais comigo)! Sobre os personagens: é muito bom quando você encontra um livro que tenham personagens reais, que nos fazem se identificar! Adoro livros de fantasia e quero muito conhecer esse mundo élfico, criado pelo autor, além de descobrir essa analogia!!! O melhor ponto desse livro é que ele não é "parado", nele, em alguns momentos, sentimos tristeza, já em outros, é surpresa!! Gosto muito disso em livros! Já quero lê-lo!!!

    ResponderExcluir