06 abril 2017

[Resenha] O Guia Definitivo Do Mochileiro das Galáxias


Com mais de 15 milhões de exemplares vendidos, a saga do britânico esquisitão Arthur Dent pela Galáxia conquistou leitores do mundo inteiro. 

O humor ácido e as tramas surreais de Douglas Adams se tornaram ícones de uma geração e seguem fascinando e divertindo leitores de todas as idades. Pegue sua toalha, embarque nessa aventura improvável e, é claro, não entre em pânico!

O que eu ahei?
“NÃO ENTRE EM PÂNICO”
Um dos livros mais cultuados, adorados e idolatrados da grande maioria dos geeks no mundo, O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS é a trilogia de cinco livros, que conta a trajetória de Arthur Dent, que é salvo por seu amigo Ford Perfect (um E.T.) que está na Terra fazendo pesquisas para a nova edição d'O Guia Do Mochileiro Das Galáxias, segundos antes da Terra ser destruída para que uma via expressa interespacial seja construída. Ironicamente, a casa de Arthur também está prestes a ser demolida para que uma estrada seja construída... ironia ou destino?
Esse é o jeito Douglas Adams de criar.

Adams não apenas desbravou pelo cosmos para criar sua séria; ele também se aventurou na sociedade e todas as suas falhas e baixa moral Sua escrita é rápida e certeira, sem medidas nas suas críticas, com pinceladas de sarcasmo, ironia e – arrisco – ofensas hilárias e debochadas a classes dos colarinhos brancos, e a toda high-society vazia e egocêntrica, que só pensa em lucro a qualquer custo. Durante a narrativa, trechos d'O Guia são mencionados, e atrevo dizer que são algumas das melhores parte dos livros – um olhar externo sobre o nosso planeta, sem medir palavras, sendo mais verdadeiro do que se um humano tivesse escrito. Os livros misturam o melhor do sci-fi com um humor ácido e sarcástico, além de uma enxurrada de críticas sociais que, mesmo depois de décadas, mostra-se atual e incrivelmente relevante.

Mas não é só de criticas e sátiras que vive essa série. Existe um grande lado filosófico nestas histórias, caracterizado pela busca do sentido da vida, e na constante busca do ser humano por uma compreensão elevada sobre tudo e qualquer coisa, mostrando que não se pode viver buscando e exigindo respostas quando não sabemos o que perguntar (conceito que está presente em um dos trechos mais famosos do livro).

É complicado explicar a trama dos livros, uma vez que cada um tem sua peculiaridade. A realidade extraterrestre/espacial com toda sorte de seres e naves e aventuras, a profunda “crítica social” sempre presente, viagens no tempo e espaço, e muita ironia faz com que ler e entender seja bem mais fácil do que explicar.

O terceiro livro, que seria o último, Arthur se encontra na Terra Pré-Histórica. O enredo desse livro não me agradou muito e foi o que eu mais demorei para ler pois me pareceu que sua escrita estava um pouco tediosa, se arrastando demais, diferente dos dois primeiros, que são bem mais dinâmicos e divertidos.
As personagens são maravilhosas, e é impossível não se conectar a pelo menos um deles. Personagens e seres egocêntricos, extraterrestre xenofóbicos, um androide inteligentíssimo e absurdamente depressivo e melancólico, além de muitos outros seres e personagens que, mesmo com rápidas aparições, conseguem ser extremamente cativantes e hilariantes a seu modo, mostrando a incrível capacidade do autor de construir personagens ótimos.

Esta nova edição em volume único lançada pela Editora Arqueiro está linda. Apesar de impressão simples, o livro apresenta capa dura, e a diagramação é perfeita (como sempre), o que só faz aumentar o meu amor por essa editora!
Acompanhar Arthur Dent, Ford Perfect, Tricia McMillian, Zapphod Beeblebrox e o robô Marvin nessa jornada surreal, que irá explorar os limites do absurdo e do espaço, do inicio ao... inicio outra vez fará você questionar não apenas a sociedade na qual está incluso, mas também o que há para além do que podemos ver; além do que já conhecemos; quanto deve custar uma Dinamite Pengaláctica?

Então, separe sua toalha, também seu guia, e não entre em pânico.

2 comentários

  1. Oi Irlan
    Eu tenho os livros de forma separada, comecei o primeiro mas acabei abandonando. Achei meio arrastado no início e acabei não me esforçando muito para ler. Acho que não estava no momento para ler aquele livro. Porém lendo sua resenha me deu vontade de dar mais um a chance.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Sempre leio bons comentários dos livros que o autor deixou... E sempre leio que a escrita dele é surpreendente e surreal.
    São livros bem diferentes dos que costumo ler. Mas tenho vontade de experimentar o novo. :)

    ResponderExcluir