18 junho 2017

[Crítica] A Múmia

Na Mesopotâmia, séculos atrás, Ahmanet (Sofia Boutella) tem seus planos interrompidos justamente quando está prestes a invocar Set, o deus da morte, de forma que juntos possam governar o mundo. Mumificada, ela é aprisionada dentro de uma tumba. Nos dias atuais, o local é descoberto por acidente por Nick Morton (Tom Cruise) e Chris Vail (Jake Johnson), saqueadores de artefatos antigos que estavam na região em busca de raridades. Ao lado da pesquisadora Jenny Halsey (Annabelle Wallis), eles investigam a tumba recém-descoberta e, acidentalmente, despertam Ahmanet. Ela logo elege Nick como seu escolhido e, a partir de então, busca a adaga de Set para que possa invocá-lo no corpo do saqueador.
O que eu achei?
Quando fui assistir esse filme, é lógico que eu já tinha em mente de que o remake do filme de 1999 com Brendan Fraser e Rachel Weisz. Achei que fosse ser um completo flop mas acabou que foi menos ruim do que eu esperava.

A história começa com o narrador (Russell Crowe) contando a história da princesa Ahmanet, que foi enterrada com a adaga que usou para fazer o ritual mas sem a pedra necessária para invocar o deus Seth. A pedra foi enterrada com um cavaleiro templário em algum local da Inglaterra, longe das areias egipcias onde Ahmanet foi sepultada, onde permaneceu durante séculos, até ser encontrada pela expedição de Nick e Jenny. Quando a princesa é acidentalmente despertada, ela faz de tudo para capturar Nick (a cena da perseguição no avião em pleno ar é destaque, o espectador tem a impressão de uma queda em tempo real) para completar o ritual de trazer o deus Seth de volta à vida ( e Nick é o receptáculo ideal para isso por causa da profecia que é destinada a ele).

Conta com algumas boas cenas de ação e Sofia Boutella (que fez a Jaylah de Star Trek:Sem Fronteiras ano passado) está convincente como uma princesa em busca de seu objetivo. A maquiagem também foi bem-feita mas só tenho uma crítica: era realmente necessário colocar o personagem do Tom Cruise como elemento essencial para completar o ritual? Por quê ela não poderia executá-lo sozinha? Seria esse um indicador do machismo em Hollywood? Se já colocaram uma personagem feminina como protagonista, por quê ela não pode fazer tudo sozinha? Por quê precisa de um homem?

Um ponto alto é a introdução do personagem do Dr.Jekyll (Russell Crowe). Para quem não soube, a Universal declarou que irá refilmar seus filmes clássicos de monstros, como Drácula, Frankenstein, O lobisomem, O médico e o monstro, O monstro da lagoa negra, etc.

A transformação dele em Mr.Hyde é tensa e apenas uma amostra do que está por vir.

O final foi um pouco inesperado, eu não esperava que fosse aquele o destino do Nick. A Múmia diverte, é apenas mais um blockbuster mas tenho esperança que será a porta de entrada para uma nova franquia de sucesso.

Trailer:



Nenhum comentário

Postar um comentário