31 março 2017

[Crítica] Negação


Sinopse:
Deborah E. Lipstadt (Rachel Weisz) é uma conceituada pesquisadora que, em seu livro, ataca veementemente o historiador David Irving (Timothy Spall), que prega que o Holocausto não existiu e é uma invenção dos judeus para lucrar mais. Julgando-se prejudicado pelo que foi publicado, Irving entra com um processo por difamação contra Deborah. Só que, pelas leis britânicas, em casos do tipo é a ré quem precisa provar a veracidade da acusação. Logo ela se vê em uma disputa judicial que, mais do que envolver dois estudiosos da História, pode colocar em dúvida a morte de milhares de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.
O que eu achei?
Para preparar sua defesa,Lipstadt e Rampton visitam o campo de concentração em Auschwitz na Polônia, acompanhados de um estudioso local enquanto o time de pesquisadores pesquisa os textos publicados de Irving, em busca de algo que possa incriminá-lo.Lipstadt fica frustrada quando seus advogados decidem diminuir sua participação no caso ao mínimo possível, argumentando que irá aumentar suas chances de conquistar o juiz.

Um sobrevivente do Holocausto pede para Lipstadt a oportunidade de prestar seu testemunho mas Rampton e Julius o impedem,alegando que eles são falhos e é melhor focar nas falhas do oponente.

Irving tenta várias estratégias para defender sua ideia da inexistência do Holocausto, como  dizer que as câmeras de gás não existiram porque não havia buracos no teto para o Zyklon B passar. O júri parece estar mais inclinado a acreditar em Irving até que os advogados de Lipstadt surgem com uma carta escondida na manga.


O diretor britânico é consagrado por produções como Chattachoochee (1989) com Gary Oldman O guarda-costas (1992) e Temple Grandin (2010). Nessa adaptação do livro de Deborah Lipstadt, "History on trial: my day in court with a Holocaust denier" da editora Penguin, a história do processo entre os historiadores é narrada.Um motivo para assistir o filme é entender as diferenças entre os sistemas legais americano e britânico. O julgamento ocorreu no High Court of Justice (Alta corte de justiça britânica) e de acordo com o sistema britânico, o onus probandi, o dever de provar que é inocente, é do acusado, cabe a Deborah e seu time provarem que estão corretos. Confesso que quando soube que o filme era de julgamento, me desanimei um pouco porque não curto muito esse gênero mas esse foi um dos melhores que já vi. Timothy Spall é renomado por interpretar vilões e sua atuação como David Irving ficou perfeita.Destaque também para Tom Wilkinson e Andrew Scott, brilharam como os advogados de defesa.

  Curiosidade: há duas cenas no filme mostrando Deborah praticando jogging e olhando a estátua de Bodica e sua carruagem no píer de Westminster. Bodica foi uma líder celta na época da invasão romana na Inglaterra.


Trailer: 



9 comentários

  1. Fiquei muito interessada em assistir esse filme. Confesso que gosto de filmes de julgamento,principalmente por contar uma tragédia mundial: O Holocausto.
    Negar que houve tais atrocidades é um verdadeiro absurdo!

    Boa indicação!

    ResponderExcluir
  2. Oi Clara
    Quero muito ver esse filme. Só de saber que é sobre fatos históricos eu amo!
    Como assim alguém quer negar a existência do Holocausto!!
    Eu gosto também de filmes de julgamento, principalmente quando os advogados trazem algumas cartas nas mangas.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aichha! Um absurdo alguém negar a existência dessa atrocidade, né ? Espero que goste, assiste e me diga o que achou. Bjos

      Excluir
  3. Oi Clara!
    Eu não sou uma fã de filmes passados em julgamentos e tribunais, mas esse me chamou muita atenção e eu adoraria assisti-lo. Filmes baseados em fatos reais e que nos contam um pouco mais sobre o holocausto, são sempre válidos, pois essa barbárie nunca deve ser esquecida e é um absurdo e inaceitável que ainda existam pessoas capazes de negar o existência do mesmo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jacqueline! Sempre útil aprender mais sobre o sistema legal e de História, né ?

      Excluir
  4. Clara!
    Tenho visto muita propaganda do filme no canal fechado e como gosto dos filmes jurídicos, estou bem interessada por assistir, principalmente porque gosto de tudo que se relaciona ao Holocausto.
    “Não há nada bom nem mau a não ser estas duas coisas: a sabedoria que é um bem e a ignorância que é um mal.” (Platão)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudynalva! Adoro essa citação de Platão!

      Excluir
  5. eu não sabia que era sobre o julgamento em si, achava que era mais os estudos deles
    eu tinha lido um texto desse historiador que nega o holocausto a muito tempo atrás, eu fiquei: "oi? como assim? e como você chama a morte de seis milhões de judeus? eu sou mais acreditar que girafas não existem (existe um pesquisador que diz isso tb)"
    eu tb não gosto muito de filmes "julgamentos" gostaria mais se fosse só a parte de pesquisa
    mesmo assim quero assistir

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro História e filmes de tribunal, logo acho que vou adorar este filme. Gostei muito do trailer, não sei ainda se já estreou em Portugal, mas tenho de vê-lo :)

    Bitaites de um Madeirense

    ResponderExcluir