22 dezembro 2017

[Resenha] Criaturas e criadores

 Sinopse
Clássicos do medo reinventados por quatro escritores brasileiros, para noites de sustos, terror e gritos
Quatro dos mais populares autores contemporâneas brasileiros, Raphael Draccon, Carolina Munhoz, Frini Georgakopoulos e Raphael Montes se uniram para reinventar os contos de terror clássicos. Frankenstein vive, e está numa favela do Rio. Rumores indicam que Drácula pode ser o dono de uma nova e badalada boate. Numa faculdade de artes, há uma lenda que diz que um fantasma ajuda belas jovens a cantar num teatro abandonado. Um mistério ronda a vida de um dentista e pai de família que está prestes a descobrir seu lado mais monstruoso. Quatro clássicos do medo reinventados por quatro escritores brasileiros para noites de sustos, terror e gritos.

 Fui no lançamento desse livro no Clube do Livro Saraiva RJ em novembro, organizado pela Frini, que finalmente retornou à Saraiva do Rio Sul, apos alguns meses de reforma e reuniões na Saraiva do Praia Shopping. Não que eu não goste do Praia Shopping mas o Rio Sul é meu shopping favorito. Tivemos a última edição do clube do ano e depois o lançamento do Criaturas e Criadores. A Editora Record organizou uma mesa toda decorada com a temática de Halloween:
   Consegui os autógrafos da Frini e do Raphael Montes (que escreveram, respectivamente, os contos do Fantasma da Ópera e do Médico e o Monstro). Levei o livro para casa e o primeiro que li foi justamente o do Fantasma porque era o que estava mais ansiosa para saber como ele seria readaptado.
                  O que eu achei
´´Por trás da máscara´´ nos apresenta uma Christine Daaé recém-òrfã após o falecimento de seu pai Gustave. Ela consegue uma bolsa e vai estudar canto lírico no prestigiado Instituto de Artes e Literatura. Ela conhece Meg Giry, filha da diretor de balé, Madame Giry e as duas se tornam melhores amigas. Christine é atormentada pela soprano Carlotta, que a chama de ´´sapinho´´. Um dia, após ter tido a atenção chamada pelo diretor do instituto,Meg conta a lenda do fantasma que supostamente vivia no teatro abandonado do Instituto e dava aulas de canto para quem precisasse. Ela vai lá por sua própria conta e risco e solta a voz. A misteriosa entidade atende seu pedido e começa a lhe dar aulas. Christine começa a se comunicar com ele através de SMS (achei o máximo esse método de comunicação ser transferido para os dias atuais!) e o velho amigo de infância de Christine, Raoul, o Visconde de Chagny, chega. Há um plot twist envolvendo Raoul que achei super criativo mas deixarei a cargo de vocês descobrirem para não estragar a surpresa. Irei dizer apenas que conforme o treino vai se intensificando, a jovem se dá conta de que está se metendo em uma grande enrascada. Frini incorporou os personagens criados por Gaston Leroux e nos traz uma história repleta de reviravoltas que ficará registrada na cabeça dos fãs. 
´´Obsessão é fruto do amor. O importante é entender a quem amamos mais: a nós mesmos ou aos outros.´´

Depois do conto do Fantasma, que é o terceiro,resolvi prosseguir a leitura e ler o quarto e último, ´´O sorriso do homem mau´´, releitura de O médico e o monstro, de Raphael Montes. Conta a história de Pablo, um dentista bem-sucedido,com uma família e aparentemente leva uma vida ideal. Ledo engano. Por trás da cortina, esconde-se um monstro, um psicopata sem escrúpulos que se diverte torturando pessoas. Ele vive atormentado pela lembrança de algo que fez, prender uma pessoa em um porão e mantê-la prisioneira apenas com o mínimo possível para viver. O problema é que o lado ruim de seu caráter só vem à tona quando ele menos espera e tem apenas vislumbres do que fez. Tudo muda quando seu sobrinho é misteriosamente sequestrado e a família entra numa perseguição frenética para descobrir quem foi o responsável. Embora o leitor saiba desde o primeiro momento que Pablo era o culpado, de maneira nenhuma diminui a tensão do conto. Segue-se um jogo de rato incrível e o final é tão surpreendente que tive que reler duas vezes para me certificar de que tinha entendido certo. Esse foi meu primeiro contato com a obra de Raphael Montes, já ouvi falar bastante de Jantar secreto, O vilarejo, Dias perfeitos e Suicidas e eles entraram na minha must-read list.
´´Ao olhar pelo retrovisor, Pablo percebe uma máscara de Frankenstein (sim, há uma menção à ele no conto de O médico e o monstro) caída no banco traseiro. Vira o corpo e estica o braço dolorido para pegar a máscara plástica, daquelas vendidas em lojas de fantasia e a encara em seu colo, confuso. Em seu consultório, ele tem várias máscaras, as crianças adoram brincar com elas, mas não faz ideia de por que aquela específica está ali no banco traseiro.´´

Como li os contos 3 e 4 primeiro, deixei o primeiro conto para depois, Em ´´A criatura´´, Raphael Draccon nos apresenta uma história que no início se assemelha á Tropa de Elite: uma equipe do Bope está procurando não um traficante mas uma criatura misteriosa que vem matando todos os oficiais do esquadrão de elite da polícia. O capitão Roberto não podia imaginar na enrascada que estava se metendo. A narrativa se alterna entre a perseguição pela criatura e uma entrevista feita pela jornalista Elizabeth, com o cirurgião Victor, procurado pela polícia. Como você já deve ter imaginado ao reconhecer o nome, Victor é ninguém menos do que o cientista que deu vida á criatura incompreendida pela sociedade. Draccon apresenta questionamentos sobre a vida e a morte, a étics, os limites entre o bem e o mal e os elementos que definem a vida e a morte. A revelação sobre as verdadeiras intenções de um determinado personagem no final vão fazer seu coração pular. Assim como o Montes, esse foi meu primeiro contato com a escrita de Draccon, que conheci na Bienal e ele autografei meu exemplar de O coletor de espíritos (que ainda não li mas lerei em breve e que já tem resenha aqui no blog) e gostei de seu estilo. 
´´Essa coisa que você criaram... a índole dela pendia mais para o bem ou para o mal ´´

E por fim, chegamos ao último conto que li,o segundo na ordem cronológica do livro, ´´Conde de Ville´´, releitura de Drácula da Carolina Munhóz. Somos apresentado a Elisabeth (apelidada de Elis) uma jovem escritora que trabalha em uma revista de contos de terror e que está prestes a ser demitida por estar atrasada para entregar sua última história. Ela mora com seu namorado Jonathas, que arranja um emprego na mais nova boate da cidade: a Conde de Ville. Uma noite, ela vai para lá com sua amiga Lúcia e conhecem o misterioso dono do estabelecimento, V, um europeu enigmático e que parece ser de gênero indefinido ou um transexual. Assim que o conhece, Elis sente que já o conhece de algum lugar e tem alguns déja-vus. Ela começa a se envolver com a criatura e descobre fatos que nunca teria imaginado possíveis do seu passado. Carolina conseguiu trazer a lenda do vampiro mais famoso da história para a nossa época, com uma heroína oriiginal mas ao mesmo tempo inspirada em Mina Harker. Esse foi meu primeiro conto da Carolina que li. Também a conheci na Bienal e comprei o primeiro volume de sua trilogia, ´´ Por um toque de ouro´´, que será lido em breve. 
´´Aquele sonho a lembrava do pequeno conto que rascunhara dois dias antes.Percebeu que ele lambia o sangue que cobria seu corpo inteiro e se deliciava nele. Novamente sentiu um gosto doce na boca,como sua personagem.O ato voltou a deixá-la excitada. Mesmo estando praticamente morta, com os órgãos expostos e sendo devorada por ele, sentia prazer. Ele lhe dava prazer! E fazia aquela barbaridade parecer certa. Parecia fazer sentido.´´

O resultado faz de Criaturas e Criadores uma companhia inestimável para uma noite fria e escura! Altamente recomendado.

  





Nenhum comentário

Postar um comentário