30 janeiro 2017

[Crítica] Sully

Sinopse:
15 de janeiro de 2009. Logo após decolar do aeroporto de LaGuardia, em Nova York, uma revoada de pássaros atinge as turbinas do avião pilotado por Chesley "Sully" Sullenberger (Tom Hanks). Com o avião seriamente danificado, Sully não vê outra alternativa senão fazer um pouso forçado em pleno rio Hudson. A iniciativa é bem sucedida, com todos os 150 passageiros a bordo sendo salvos. Tal situação logo transforma Sully em um grande herói nacional, o que não o isenta de enfrentar um rigoroso julgamento interno coordenado pela agência de regulação aérea nos Estados Unidos.

O que eu achei? 

Chesley ou Sully é piloto de avião com uma vasta experiência em aviação, mas um belo dia logo após pássaros atingirem as duas turbinas do avião, toda sua vida e experiência serão colocadas a postos, quando ele terá que decidir se vai tentar retornar ao aeroporto ou fazer um ouso forçado. A partir temos uma história incrível, onde um homem terá que ter raciocínio rápido e tomar sua decisão.

Com cenas incríveis que nos prendem desde o início da produção, podemos ver as turbinas pegando fogo, literalmente atravessando Nova York. Intercalando imagens do dia do acidente(passado) e do dia em que está sendo levado a um tribunal para responder por ter pousado no rio Hudson ao invés de retornar ao aeroporto(presente). A direção de Clint Estwood é excepcional e faz com que fiquemos atraído pelo lado emocional da história, onde temos um piloto super dedicado e com um histórico impecável.
Logo é iniciada uma investigação para descobrir o que de fato originou esse pouso " forçado" por parte de Sully. Agência acredita que ele deveria ter voltado com o avião para o aeroporto, enquanto Sully e seu co- piloto estão certos de que fizeram a coisa certa. 
Alternando entre momentos passados, atuais e até mesmo pesadelos que Sully tem após o ocorrido, somos levados a conhecer o lado humano do piloto.

Durantes o decorrer do filme é impossível não se apegar torcendo pelo personagem de Tom Hanks, que mais uma vez está esplêndido ao dar vida a um personagem real. 
A direção impecável de Clint nos faz ver o ponto de vista do piloto e até mesmo da agência reguladora que tenta colocar a culpa no piloto.
O filme é impecável ao contar detalhadamente a história do acidente. A agência usa simuladores para expor os erros de Sully, tentando acabar com a credibilidade do piloto, enquanto Sully mostra aos reguladores como o fator humano pode mudar o rumo de qualquer história.

Aplausos expostos para a realização do pouso forçado que de fato em fez imaginar o que aqueles passageiros sofreram naquele dia, e por fim admirar o piloto e herói: Sully.
O filme finaliza sem deixar "nós soltos" e me prendeu do início ao fim. Enfim... assistam!

Trailer:


Nenhum comentário

Postar um comentário