08 maio 2017

[Crítica] Alien: Covenant

2104. Viajando pela galáxia, a nave colonizadora Covenant tem por objetivo chegar ao planeta Origae-6, bem distante da Terra. Um acidente cósmico antes de chegar ao seu destino faz com que Walter (Michael Fassbender), o andróide a bordo da espaçonave, seja obrigado a despertar os 17 tripulantes da missão. Logo Oram (Billy Crudup) precisa assumir o posto de capitão, devido a um acidente ocorrido no momento em que todos são despertos. Em meio aos necessários consertos, eles descobrem que nas proximidades há um planeta desconhecido, que abrigaria as condições necessárias para abrigar vida humana. Oram e sua equipe decidem ir ao local para investigá-lo, considerando até mesmo a possibilidade de deixar de lado a viagem até Origae-6 e se estabelecer por lá. Só que, ao chegar, eles rapidamente descobrem que o planeta abriga seres mortais.
O que eu achei?
Como alguém que gostou de ‘Prometheus’, que descobri existir uma rixazinha sobre seu mérito recentemente, esperava muito uma ligação direta para ‘Covenant’, o que, de certa forma, foi atendido, porém não ao nível das minhas expectativas. ‘Alien: Covenant’ — que reforça a nova febre da ficção científica de nomear os filmes por naves (beijo ‘Rogue One’) — é um filme bom na medida do possível. Toda a ação e a brutalidade que o Alien confere são maravilhosas e prendem muito a atenção, mas perde-se pelo caminho devida quantidade exorbitante de inconsistências que a história apresenta.

Mesmo com uma contextualização de quase uma hora, o resultado é superficial. Os personagens são mal apresentados devida quantidade exagerada de habitantes despertos da Covenant, dessa forma, quando começam a morrer, não provoca sentimento algum; a ligação que faz com os acontecimentos de ‘Prometheus’ é bem interessante, porém muito ambiciosa e praticamente repete os mesmo pontos característicos do anterior. Mostra que a franquia chegou num ponto que ainda não decidiu para onde quer ir, ou pelo menos ainda não sabe dizer.

Esteticamente falando, o filme é impecável. Os efeitos especiais, principalmente dos Aliens, são incríveis, mostrando variações de sua mutação ao longo do filme; contudo foca-se muito em mostrar a carnificina deliciosamente violenta causada por ele para deixar os personagens de lado. Daniels (Katherine Waterston, a Tina de ‘Animais Fantásticos e Onde Habitam’) tenta de todas as formas elevar-se ao patamar de Ripley, mas não chega nem mesmo à Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) de ‘Prometheus’, de forma que, se não estivesse na ficha técnica, durante um bom tempo, o filme parecia não ter protagonista definida tamanha a falta de estabelecimento de diretrizes.

Se tem uma coisa que odeio é repetição desnecessária. Sendo assim, transformar David (Michael Fassbender) em vilão todas as vezes que as coisas parecem ter sido solucionadas — seguindo exatamente o mesmo erro dos atuais filmes da franquia X-Men, onde, toda vez que o vilão é derrotado, Magneto vira-se contra quem diabos for que aliou-se para conseguir isso; que, por acaso (ou não) também é interpretado por Fassbender — é, no mínimo, preguiçoso. Como ver um ciclo que não se fecha, mas retorna ao ponto de partida para, provavelmente, continuar se repetindo mesmo não tendo dado certo. 

Para mim, reina um sentimento muito ambíguo para com esse filme. Ao mesmo tempo em que quero evidenciar o quanto esse filme é visualmente bonito e realmente BRUTAL, instigando para que você continue assistindo, as conexões são mal pensadas e o destino escolhido para seguir a série é preocupante. Típico filme que você adora, mas não consegue falar tão bem dele. 

Trailer: 

Postado por Julio Gabriel

5 comentários

  1. Oi Julio,
    Geralmente esses filmes realmente são impecáveis na fotografia e efeitos visuais. Uma pena que deixou a desejar. Eu realmente não gosto da temática então deixo a dica passar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, para ser bem sincera, nunca fui tão ligada assim em filmes de ficção científica.
    E por esse motivo não posso nem opinar sobre o tema.

    E ainda sendo violento demais, minha vontade de assistir só diminui.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que quero muito ver, mas quando lembro dos filmes antigos de Alien (que eu adoro), fico com medo de acabar decepcionada.

    ResponderExcluir
  4. Não tenho nem como opinar, pois não gostei dos primeiros filmes da franquia.

    ResponderExcluir
  5. Gosto de ficção científica, mas, como não curto terror/suspense, e essa franquia tem bastante, não consegui gostar. E tentei.

    ResponderExcluir