23 abril 2017

[Resenha] O Sol Também É Uma Estrela

Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.
Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.
O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?


O que eu achei?
Natasha, uma jovem jamaicana (que é mais americana do que jamaicana) que se mudou, aos oito anos, com seus pais e seu irmão, para Nova York. Extremamente direta, pé no chão, cuja mente cientifica não deixa espaços para questões filosóficas, sonhos e esperanças baseadas em sentimentos efêmeros. Daniel, um americano filho de imigrantes coreanos, sonhador e poeta, que acredita que a vida é muito mais do que cálculos e certezas absolutas baseadas em fatos testados mais de três vezes, só para garantir.
Mas no meio disso tudo, há o destino, que coloca o pé e os derruba de seus pedestais de certezas e os enche de dúvidas, que, na verdade, são certezas novas, que brotam aos poucos em cada um deles. Seus mundos colidem e a atração entre eles é inevitável – mesmo que tentem evitar.
Natasha está para ser deportada, junto com a família, no fim do dia, por culpa de seu pai; Daniel tem uma entrevista para a faculdade de medicina em Yale, por obrigação de seu pai. No caminho para resolver esses assuntos, a mão do destino, do acaso, de Deus, o sei lá de quem, faz com que Daniel perceba na jaqueta da menina que passa em sua frente, um sinal de que o futuro pode ser incrível para os dois. Ele a segue e, insistente, faz de tudo para conquista-la. Ela, realista, acha tudo uma bobagem. Ele tem até o fim do dia para conquista-la. Ela tem até o fim do dia para impedir que isso aconteça. E é aí que tudo começa.
Confesso que assim que li a sinopse, fiquei meio receoso com o tema – amor a primeira vista? Clichê, não? Não! Não há nada de clichê nessa história, muito pelo contrario. A autora soube utilizar os elementos tão batidos das histórias de “destinado um ao outro” de maneira tão sublime, poética e envolvente, que o livro parece ser a primeira escrita sobre o tema; o marco zero do “amor a primeira vista”. As personagens são extremamente cativantes e humanas, não pecam nem pelo excesso nem pela falta de uma ou outra qualidade (ou defeito), e não digo apenas sobre Natasha e Daniel. Essa história vai além. Muito além...
Eu vejo esta história como uma História de Destinos, de Vidas que se cruzam, e, como os encontros, cada momento, por menor que seja, pode afetar a vida dos envolvidos. Todos nesse livro têm suas histórias, seus anseios, medos e inseguranças; suas escolhas, erros e incertezas, o que faz com que a leitura seja uma experiencia muito mais rica e repleta de empatia, pois a autora nos faz perceber o quanto podemos afetar a vida do próximo, como eu disse, mesmo na menor de nossas atitudes. Todos as pessoas e seus universos particulares resumidos em um dia. E o quanto a vida de alguém pode mudar em um dia?
Além do conteúdo do livro ser perfeito, tanto na construção quanto no desenvolvimento, a parte gráfica é um show a parte. A história é contada pelos personagens, ou é narrada, em alguns capítulos sobre personagens “secundário”. A diagramação é perfeita, e o detalhe ilustrado que representa cada personagem (uma ilustração esférica diferente para cada pessoa) dá um todo um charme na história. Mas não posso deixar de comentar sobre essa capa, que a principio achei que fosse montagem, mas não! NÃO! A capa é obra da designer australiana Dominique Falla, e essa arte faz parte de uma série em que ela utiliza pregos e linhas coloridas em seus trabalhos (sério, vale muito apena pesquisar o trabalho dela. O livro possui um link e um código QR com o vídeo de como a artista criou a capa do livro!!!).
Não vou contar muito da historia em si, pois, como disse, são histórias de destinos e vidas, e contá-las acabaria por estragar algumas surpresas, mas digo, sem medo nem dúvida, que esse foi um dos livros mais gostosos de se ler que já tive em mãos, repleto de poesia, emoção; repleto de alma humana, seja ela cética e calculista, ou poética e sonhadora. É um livro que fará sorrisos e lágrimas brotarem espontaneamente, mas, acima de tudo, fará com que você sinta que pode haver muito mais no futuro.

8 comentários

  1. Oi Irlan, o destino muitas vezes surpreende,e nos faz tomar caminhos completamente diferentes do esperado.

    E acho que a história desse casal é bem assim,né?!
    Não li,e fico imaginando como duas pessoas tão diferentes e com caminhos aparentemente já traçados,conseguirão viver uma história juntos.
    Não sei de conseguirão. E espero ler em breve para saber. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Janaína. Essa história é extamente assim, sem certezas nem previsões. Encantador ao extremo

      Excluir
  2. Oi Irlan,
    Adoro livros que retratem o destino, e achei bem bacana que esse fala também sobre a deportação/imigrantes nos EUA. Um tema que está bem atual não é mesmo?!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aichha. Também adoro esse tema. E mais uma vez, o destino mostrando suas tramas, não? Hahaha Timming perfeito com tema e atualidade

      Excluir
  3. Irlan!
    Acredito em amor a primeira vista e não acho nada clichê, porque amor tem de ser assim, o meu mesmo foi a primeira vista e estamos juntos há 17 anos, nos que fazemos nossa história, como a autora imprimiu personalidade a escrita dela e trouxe o romantismo através de uma escrita poetiza.
    Bom feriado!
    “A sabedoria é a única riqueza que os tiranos não podem expropriar.” (Khalil Gibran)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério?? Que incrível! Mas o amor tem dessas, né? Cada um surge de um jeito diferente, mas igualmente avassalador

      Excluir
  4. Ando lendo ótimas resenhas em relação a esse livro.
    Estou muito interessada nele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samanta, se minha opinião vale de algo, leia esse livro pra ontem. É lindo demais! A contruçao do enredo é uma delicia de acompanhsr

      Excluir