22 fevereiro 2017

[Resenha] Poder Extra G


Empoderamento define. É por isso e a partir daí que a história de Nina — e de Nico, de Marcela e de Noah — existe. Nina não é uma mulher de tipos. E não apenas por causa dos seus noventa e dois quilos. Nina tem atitude e amor-próprio. Talvez não nessa ordem, mas quem se importa? Ao namorar Marco, ela achava que estava subindo mais um degrau rumo ao topo de sua autoestima. É claro que alguns sinais lhe alertavam do contrário, só que o ego pode ser bastante ensurdecedor quando nos convém. Depois de se dar conta da farsa que era o seu relacionamento, Nina deixa sua vida em São Paulo e parte rumo a Buenos Aires, para um mês regado a argentinos sedutores e muito doce de leite. Ela só não esperava que o país dos hermanos pudesse lhe trazer muito mais do que uns quilinhos extras.
O que eu achei? 
Desde a primeira vez que eu ouvi sobre o livro da Thati Machado, eu fiquei apaixonado. E não só pela história, mas o modo como a escritora se orgulha dela e comenta com tanto poder, dedicação e carisma. Você ter essa perspectiva de como as pessoas divulgam o seu trabalho, é sensacional e te proporciona um sentimento maior na hora da leitura. 

O livro é uma comédia romântica (com seus toques sensíveis e dramáticos) SEN-SA-CI-O-NAL! É impossível você ler e ficar apático a Nina, Nico, Noah, Marcela... Para, e lê de novo, porque leu errado! 


Thati abre a história com Nina já passando por um encontro chato, com uma pessoa chata, e que acaba tendo um fim de noite com outro ser humano. De cara, eu já me identifiquei horrores com ela, porque é como um conhecido falou uma vez: "A gente é tipo vaselina. A gente se ajeita com o que tá acontecendo". Enfim, minha vida pessoal à parte... Depois pulamos para a Argentina, onde Nina está afogando as mágoas que teve com o ex (o cara que ela conheceu e ficou na mesma noite).


O motivo? Seu tamanho/peso. E é daí que conhecemos o lado mais poderoso e sério da personagem, e até o mais sentimental. Porque vamos combinar que ser largado por causa da sua forma física, é bem chato, né? Mas ela manobra isso com muitas bateções de perna e doce de leite. Até conhecer o Nico, e começar um romance improvável, em uma cidade que você está apenas à viagem. 


Noah merece um parágrafo só dele. Quantas vezes eu fiquei ansioso e angustiado quando era o irmão mais novo de Nico que contava o seu lado da história. Além de debater muito bem o transtorno de identidade de gênero, o personagem tem um lado doce que encanta demais e que seu coração palpita quando acontece umas coisas lá (Não vou comentar, porque né... Vão na livraria e comprem). 


Assim, é uma das histórias nacionais mais engraçadas e encantadoras que já li. Eu bato palmas de pé para a Thati Machado, que tem um carinho muito grande pelos leitores e conseguiu dizer em algumas palavras tudo aquilo que é preciso para mostrar que todos podemos ser poderosos, do nosso jeito. 


2 comentários

  1. Como não amar esse livro? Nina poderia ser qualquer uma de nós e achei incrível a Thati ter trazido tantos assuntos a tona!!
    Adriana Cardoso
    Além de 50 Tons: https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Em um mundo onde acredita-de que o belo,é ter um corpo perfeito,livros assim merecem reconhecimento.
    Quantos livros lemos onde os personagens tem uma beleza extraordinária?
    A grande maioria!

    Estou louca para conhecer essa personagem tão forte e cheia de personalidade.

    ResponderExcluir