Novidades

[Divulgação] Doutor Fausto Panicacci fala sobre censura no Brasil

Os recentes acontecimentos na Bienal do Livro mostram que estamos longe de termos atingido uma convivência pacífica com os que pensam diferente. A intolerância revela-se. O fato de se mandar recolher uma publicação, rotulando-a de ofensiva, por não se concordar com seu conteúdo, demonstra que sempre haverá quem queira controlar – e proibir – o que os outros leem.
No universo ficcional de O Silêncio dos Livros, do Doutor em Ciências Jurídicas Fausto Panicacci, a trama tem início com a frase de impacto, estampada em uma placa: “TER LIVROS É CRIME. DENUNCIE”.
Preso pelo “ato subversivo” de possuir livros, o personagem António, um culto e destemido editor, explica ao companheiro de cárcere o que está ocorrendo “lá fora”:
“A ideia primordial era a de que tudo deveria submeter-se à ‘soberania do eu’; como, porém, a satisfação plena dos múltiplos ‘egos’ encontrava obstáculo nos livros – que não comportavam modificações conforme os caprichos de cada ‘ego’ – só deveriam ser permitidos livros digitais nos quais qualquer pessoa pudesse efetuar cortes e acréscimos. (...) Livrarias foram atacadas, bibliotecas depredadas, acervos digitais destruídos por vírus, e a proibição aos livros tornou-se um dos principais tópicos em campanhas eleitorais” (O Silêncio dos Livros, p. 92),
A obra não fala só desse tema: trata também do impacto da tecnologia na vida do ser humano, das relações familiares, perda da inocência, amizade, solidão, culpa e redenção. Ao tratar de um tempo sombrio em que os livros são proibidos, liga-se à tradição de obras como “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury, e, mais recentemente, “A sombra do vento”, de Carlos Ruiz Zafón, e “A menina que roubava livros”, de Markus Zusak.
O Silêncio dos Livros nos fala ainda sobre o papel da Literatura, pois “através das personagens conseguimos observar o mundo com outros olhos, saboreando vidas que não as nossas e, assim, melhor entender os que nos cercam” (p. 99). Obra indispensável em tempos de intolerância.
Ficha técnica:
Título:
 O Silêncio dos Livros

Autor: Fausto Luciano Panicacci
ISBN: 978-85-8442-392-7
Páginas: 256
Formato: 16×23 cm
Preço impresso: R$39,90
Sinopse do livro: TER LIVROS É CRIME. DENUNCIE. Numa época em que os livros são proibidos, o misterioso Santiago Pena acaba de chegar a Portugal, onde conhecerá Alice, menina desprezada pelos pais. O encontro de um antigo caderno trará questões intrigantes. Que relação haveria entre um jovem acusado de crime que alega não ter cometido, suntuosos projetos arquitetônicos e a descoberta de uma biblioteca abandonada? O Silêncio dos livros é uma declaração de amor à Literatura. Romance para ser saboreado não só pelo enredo recheado de tensões e suspense, mas também pelos detalhes de construção, insere-se na melhor tradição da cultura ocidental, com sutis menções a livros, poemas e vinhos, a mitos clássicos e folclore, a obras de arte e teorias científicas, além de enveredar por grandes discussões da contemporaneidade, como privacidade, identidade, genética, direito ao esquecimento. Manejando uma linguagem precisa e poética, o autor cria metáforas surpreendentes, explora recursos estilísticos e sabe convidar o leitor a desvendar sentidos apenas sugeridos.
Sobre o autor: Fausto Luciano Panicacci é Doutor em Ciências Jurídicas pela Universidade do Minho (Portugal). Formado em Direito (Largo São Francisco, USP), estudou Fotografia, História do Cinema e História da Arte. Além de O silêncio dos livros (romance), é autor de Naufrágios (coletânea de contos e poemas), e de obra jurídica. Promotor de Justiça e escritor, foi professor de pós-graduação no GVLaw da FGV/SP. Integra os grupos literários O que restou e Library.

Um comentário:

  1. O que falar dessa Bienal? De certo não esperavam que esse fantasma iria voltar. Mas vamos falar da primorosa obra 'O silêncio dos livros', tem a história bem costuras como os citados acima. Recomendo!

    www.sramaia.blogspot.com

    ResponderExcluir