17 agosto 2016

[Crítica Musical] HOPELESSNESS - ANOHNI

A primeira vez que tive contato com ANOHNI foi em suas participações nas músicas da islandesa Björk, e sua voz sempre me chamou atenção pelo timbre diferente de tudo o que eu já ouvi, e também pela carga emocional que ela é capaz de adicionar à música, de forma única. Talvez alguém a conheça como Antony Hegarty, da banda Antony and the Johnsons; mas, para seu novo álbum, adotou o nome ANOHNI.

HOPELESSNESS é um álbum com onze faixas, mas além de ser um álbum musical, este é, antes de tudo, um manifesto contra a cultura das Américas, focando em vários momentos na política Norte-Americana – alimentando guerras, destruindo o planeta aos poucos, sujando as mãos de sangue em anos ininterruptos de guerras. Não apenas apontando os erros, ANOHNI se põe como elemento atuante nesse contexto, já que as músicas estão todas em primeira pessoa.


Na primeira faixa, DRONE BOMB ME, temos uma menina afegã que viu seus pais e todos ao seu redor serem mortos por drones bombardeiros; em seu lamento, ela deseja que ela própria seja atingida por uma bomba; ela implora por. Está faixa se tornou o primeiro single do álbum, ganhando um vídeo com a participação da Top Model Naomi Campbell, que ficou lindo!
Na faixa seguinte, 4 DEGREES, temos a crítica à mudança da temperatura média do planeta, onde a cantora toma a culpa também para si, numa forma de dizer “todos temos uma parcela de culpa”. Os graves desse álbum são impecáveis, soando quase como musica tribal.
Uma das faixas mais ousada do álbum chama-se OBAMA. Sim, o presidente Barack Obama. Nesta faixa, ele o critica, dizendo que Obama enganou a todos com a imagem de bom homem para depois ter atitudes nada humanas, como participar das guerras intermináveis do Oriente Médio. E sim, tudo dito de forma direta, sem medir palavras.
Inspirada na revelação de que o governo Norte-Americano vigiava contas pessoas de vários cidadãos, Anohni compôs WATCH ME, um show de ironia e sarcasmo contra esse “controle” de contatos e conversas, vulgo “invasão de privacidade”.

O álbum, além de ser lindo em suas letras, traz uma sonoridade peculiar e única, explorando muitos elementos eletrônicos, onde nem sempre a linearidade é importante ou, até mesmo necessária. Como exemplo, temos VIOLENT MEN, uma faixa onde os vocais são editados, recortados, embaralhados, tudo embalado por um fundo musical misterioso e sombrio. É quase como estar na mente de um louco; de um homem violento.
Basicamente, HOPESLESSNESS é uma viagem em um tipo de música completamente inovador, que se faz valer não apenas de sonoridade, mas também de conteúdo. Música para os ouvidos e para a mente, que nos obriga a pensar e questionar o mundo em que vivemos e quem somos nós nesse mundo. Um panelaço contra a cultura consumista e destruidora que se torna cada vez mais comum e popular na sociedade atual.

Para mim, dos álbuns que já ouvi, e que deveria ser considerado o mais importante e revolucionário de 2016. Sem mais!!!

FAIXAS:
01. DRONE BOMB ME
02. 4 DEGREES
03. WATCH ME
04. EXECUTION
05. I DON'T LOVE YOU ANYMORE
06. OBAMA
07. VIOLENT MAN
08. WHY DID YOU SEPARETED ME FROM EARTH?
09. CRISIS
10. HOPELESSNESS
11. MARROW

Nenhum comentário

Postar um comentário