09 novembro 2016

[Crítica] Trolls

Sinopse:
Tronco (Justin Timberlake) parte para uma jornada de descobertas e aventuras ao lado de Poppy (Anna Kendrick), líder dos Trolls. Inicialmente inimigos, conforme os desafios são superados eles descobrem que no fundo combinam.

O que eu achei?

Pensem num povo feliz, agora multiplique por um milhão, o resultado é o povo mais feliz da Terra os trolls, que vivem cantando, dançando e abraçando. Mas é claro que tamanha felicidade foi invejada pelos Berguens, o povo mais infeliz da Terra, que descobriram que ao devorar os pequenos Trolls tinham momentos da mais plena felicidade, por isso cercaram a árvore Troll e criaram o Trollstício, um feriado Berguem dedicado ao dia do ano em que é permitido experimentar Trolls e a felicidade.Porém antes que isso aconteça os Trolls fogem em busca de um novo lar onde possam ser livres e felizes.
Passados vinte anos desta fuga a princesa Poppy, que era um bebê na fuga, está prestes a se tornar rainha e para comemorar resolve dar a maior e mais barulhenta festa, com muita luz, glitter e tudo mais, Tronco um troll um tanto quanto ranzinza tenta avisa-la de que a festa pode chamar atenção dos Berguens, mas ela não escuta e a festa acontece. E como Tronco já havia previsto a chefe de cozinha dos Berguens aparece e captura alguns para levar a seu povo, e retomar o Trollstício, com seus amigos sequestrados e um reino para proteger e livrar dos Berguens Poppy se vê desesperada e recorre a Ramo para ajudá-la nessa missão, e a jornada dos dois começa.
Com seu cabelo rosa, sua confiança, seus planos elaborados no caderninho de colagem, e extrema felicidade Poppy acha que será simples e fácil resgatar seus amigos e encontrar um novo lar longe dos Berguens, a missão de Tronco será ensinar para ela que o mundo não é só bolinhos e arco-iris e que as coisas podem ficar muito feias, ele só não esperava que tivesse tanto para aprender com ela, e que isso o transformaria.

Trolls é aquele típico filme infantil que tem o poder de encantar os adultos também,afinal foi inspirado nos bonequinhos de cabelo colorido e arrepiado sucesso nos anos 60 e presente em Toy Story também, o enredo tão fluido que ao final parece que assistimos a um episódio de desenho e não um filme de uma hora e meia, a trama é leve, divertida e faz crianças e adultos refletiram sobre o verdadeiro significado de felicidade e amizade.
Outro destaque é a excelente trilha sonora, sério, não tem como não dançar na cadeira do cinema e correr para ouvir o Cd com as músicas do filme assim que ele acaba (já está disponível nas principais plataformas), o produtor musical responsável por isso é ninguém menos que Justin Timberlake (que dubla Tronco na versão original), e a trilha foi tão bem feita que a sensação após sair do filme é de ser um troll pois a felicidade deles contagia e as músicas grudam absurdamente na cabeça, já estou doida por mais produções musicais do Justin no cinema.
Trolls estreia no Brasil nesta quinta, 27/10 e tem classificação livre.

Trailer:

Um comentário

  1. Achei bem colorido, musical, uma versão mais colorida de Smurfs kkk
    beijos

    ResponderExcluir