16 novembro 2016

[Crítica] Animais Fantásticos & Onde Habitam


Sinopse: O excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York levando com muito zelo sua preciosa maleta, um objeto mágico onde ele carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-americana, que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar todas suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo.

O que eu achei: Eu acho que "êxtase" é a palavra que define os meus sentimentos quando os créditos começaram. "Satisfação" é outra que consegue colocar muito bem a minha colocação em relação a nova história. 

Admito que não estava criando qualquer expectativa pelo enredo, ou pela história, porque não queria deixar de me surpreender com essa nova empreitada e por outros motivos (que foram anulados depois de 10 minutos de filme). Acho que J. K. Rowling como roteirista resultou neste "boom" que é o começo do enredo de Newt Scamander, que ao mesmo tempo que nos apresenta um novo personagem, ela já vai começando a tecer uma trama muito maior. 

E como conseguiram enganar a maioria dos fãs! Sério, isso ainda me deixa surpreso, porque até então muitos se perguntavam sobre o que o filme falaria exatamente, o que ele seria: Uma aventura, uma comédia única, o começo de um novo capítulo? Isso e muito mais. Você já começa com um sentimento alarmante, vendo as dificuldades que o mundo bruxo está passando e o desejo de Grindelwald para causar o caos. Os acontecimentos no mundo mágico norte-americano causados pelas confusões que Newt cai só contribuem para um enredo maior, muito bem explicado e bem corrido em 2h de filme (Um ponto ótimo para quem veio do universo de Harry Potter e dá uma chance para outras pessoas que não conheciam o Mundo Bruxo). 

Os papéis dos personagens não poderiam ter sido colocados em mãos melhores do que o elenco escalado (Isso não inclui o Johnny Depp, mas explicarei mais a frente). Pra mim, o maior destaque vai para Ezra Miller, que interpreta um dos filhos adotivos de Mary Lou Barebone, a líder dos Segundos Salemerianos, que quer acabar com a atividade bruxa na América do Norte. O personagem dele é um grande pivô para toda a história e revelações futuras. E não posso deixar de comentar sobre Eddie Redmayne que é impecável e consegue cumprir todos os momentos de tensão, comédia e drama. O personagem Newt é fantástico e não poderiam pensar melhor forma de construí-lo. 

Aproveitando sobre personagens... A grande polêmica de Depp. Deixando os fatos da vida real do lado de fora (e que mesmo assim há controvérsias, segundo o que pesquisei, sobre o caso dele), eu somente acompanhei o ator nos seus papéis mais notáveis e que está na boca do povo. Ele aparece, sim, no filme por questão de minutos, mas tudo tem uma grande mudança a partir dali. Você começa a sentir o rumo dos próximos filmes. Então... Se posso avaliar a atuação dele? Não creio que isto seja possível pra mim, não acho justo, mas posso afirmar que Grindelwald foi feito para Johnny. Toda a expressão corporal e as poucas falas foram bem característica de um bruxo das trevas. Vou parar por aqui, porque né... Vamos deixar a surpresa para os olhos de vocês. 

O que eu poderia falar mais? Acho que nada, porque de resto tudo cumpre com o papel que o enredo pede. Os cenários, figurinos, efeitos especiais... Não poderíamos esperar menos do que foi desenvolvido há quase quatro anos atrás. 

Se você deve conferir nos cinemas? Se você é um potterhead... Nem preciso abrir a boca. Se você ficou perdido com o universo de Harry Potter, ou não gostou, admito que deveria dar mais uma chance, em vista que é uma história original que não tem, de fato, nos livros. 



Um comentário

  1. Eu estava sem muitas expectativas para ver esse filme e olha como eu estava enganada.
    Agora estou louco pelos próximos e pela biblioteca de Hogwarts que foi relançada.
    Beijos

    ResponderExcluir