12 julho 2016

[Resenha] O Último Adeus

Um fato que inicialmente você caro leitor deverá saber: este é um livro sobre superação, sobre dor, perda e superação.
Sinopse:
O Último Adeus é narrado em primeira pessoa por Lex, uma garota de 18 anos que começa a escrever um diário a pedido do seu terapeuta, como forma de conseguir expressar seus sentimentos retraídos. Há apenas sete semanas, Tyler, seu irmão mais novo, cometeu suicídio, e ela não consegue mais se lembrar de como é se sentir feliz. 

O divórcio dos seus pais, as provas para entrar na universidade, os gastos com seu carro velho. Ter que lidar com a rotina mergulhada numa apatia profunda é um desafio diário que ela não tem como evitar. E no meio desse vazio, Lex e sua mãe começam a sentir a presença do irmão. Fantasma, loucura ou apenas a saudade falando alto? Eis uma das grandes questões desse livro apaixonante. 

O Último Adeus é sobre o que vem depois da morte, quando todo mundo parece estar seguindo adiante com sua própria vida, menos você. Lex busca uma forma de lidar com seus sentimentos e tem apenas nós, leitores, como amigos e confidentes.


O que eu achei?

O livo conta  a história de Alexis, uma menina de 18 anos que acaba de perder seu irmão. O livro tem início durante uma sessão de terapia de Lex, onde seu terapeuta a aconselha a manter um diário onde possa contar tudo o que se passa em sua mente e seus sentimentos, relacionado a sua vida, seja pela dora da perda de seu irão ou por qualquer outro assunto desejado. Lembrando que Tyler, ou Ty como é chamado Lex se suicidou.
Alexis era uma adolescente normal, com sua família não tão tradicional, já que seu pai é separado de sua mãe, tinha um irmão com quem sempre se importava e que também sempre se importava com Alexis. Logo de imediato é possível se identificar com a personagem principal e com a dor dela. Lex narra de uma forma doída e muitas vezes mortalmente ferida sobre sua vida.

Seu irmão Ty se suicidou após sua 2ª tentativa de suicídio, mas o que incomoda Lex é não ter tido a oportunidade de cumprir sua promessa: estar lá quando seu irmão precisasse. Todo sofrimento começou quando seu pai saiu de casa, abandonado sua família e deixando sua mãe desolada e seu irmão um tanto infeliz demais. Mas o que me incomodou muito foi saber que toda essa dor pode ser sentida por qualquer um a nossa volta, mas como seguir em frente ou superar é que fará toda diferença.

Lex namorava Steven, mas terminou com ele após a morte de Ty, sem maiores explicações. Segundo ela, não se permitiria ser feliz por ter causado a morte de seu irmão, o leitor só entenderá isso no final do livro, o motivo disso tudo. O sentimento de impotência causado em Lex nos atinge de forma brutal, afinal ao se suicidar Ty deixou apenas um post- it escrito: "Desculpa, mãe, mas eu estava muito vazio", como pode alguém escrever apenas isso?
No decorrer do livro percebemos que Ty sofria de uma depressão mal- tratada e jamais curada, nem os remédios, nem a namorada, nem a irmã que ele tanto amava seria capaz de dissuadi- lo de acabar com a própria vida.

Lex começa a ver Ty pela casa, ou sentir o cheiro de seu perfume ou algo assim, então ela instintivamente deduz que tem algo não resolvido de  Ty na Terra e decide descobrir o que é. Então descobre uma gaveta aberta de uma cômoda, onde há uma carta para Ashley: ex- namorada de Ty; acontecem algumas coisas que a fazem deduzir que Ashley o traiu e logo desiste de entregar à ela a tal carta.

No meio de tantos sentimentos, podemos vivenciar a luta de Lex em trazer sua mãe de volta a vida, já que desde a  morte de Ty sua mãe apenas vegeta numa vida de acordar, levantar, ir trabalhar e ão viver, como ela mesmo diz: " não tenho mais vida Lex." 
Um dos amigos de Ty se suicida também e todos  na escola voltam sua atenção para Lex e sua família, afinal seria Ty o responsável por induzir seu amigo à morte? Patrick decide se jogar na frente de um trem e acabar com sua vida.
Para fugir disso tudo, Lex propõe uma viagem a Gracelândia, um sonho antigo de sua mãe, que sempre foi apaixonada por Elvis Presley. Ao retornar desta viagem, Lex vê seu irmão no banco traseiro e decide confrontar sua mãe e convencê- la a se mudar com ela, que imediatamente se nega.
Ao retornar para sua cidade, enfim entrega a carta a Ashley e decide começar a viver e superar a morte de Ty. Um questionamento que ela se fazia sempre era: Eu causei a morte de Ty? E num final lindo e emocionante temos o último adeus de Ty e Alexis. 

Este livro foi favoritado no meu skoob, não à toa, mas por entender a confusão dos sentimentos da personagem e o crescimento dela perante as dificuldades da vida. Lex é uma personagem incrível! Acredite você vai sentir a dor dela, o incômodo, suas dúvidas, sentirá tudo intensamente. Cynthia Hand é uma escritora fantástica e me surpreendeu desde o princípio com sua escrita e facilidade de nos fazer entender Ty e Alexis.
Espero que tenham gostado da resenha.
Deixe- nos um comentário.


3 comentários