12 janeiro 2017

[Crítica] Assassin's Creed



Sinopse: Callum Lynch (Michael Fassbender) descobre que é descendente de um membro da Ordem dos Assassinos e, via memória genética, revive as aventuras do guerreiro Aguilar, seu ancestral espanhol do século XV. Dotado de novos conhecimentos e incríveis habilidades, ele volta aos dias de hoje pronto para enfrentar os Templários. Versão para as telonas do game Assassin's Creed.

O que eu achei?
Quando eu soube que uma das minhas séries de jogos favoritas ia ser adaptada para o cinema... Eu quase tive um ataque cardíaco. 

Primeiro, porque é a uma das minhas histórias preferidas, e que você consegue aproveitar muita coisa falando no quesito 'História da Humanidade'. Segundo, eu fiquei com medo, pois seria uma história original, totalmente alheia ao enredo que eu já conhecia. 

O tom do filme é muito mais sério, e tem mais pé na nossa realidade do que quando Callum volta ao passado. Ou seja, você tem duas tramas acontecendo ao mesmo tempo: Aguilar tentando proteger a Maçã do Éden (É um artefato que guarda a primeira desobediência dos homens e que pode dar o livre arbítrio, e que os Templários querem para controlar o mundo) e Callum sendo usado para acessar estas memórias, enquanto lida com o Assassinos atuais. 

Eu achei que a história seria um problema, fiquei com medo de alguém que nunca ouviu falar dos jogos ou dos livros não entender o enredo e a proposta do filme. E todas as pessoas que foram na cabine, e que se encontram no caso acima, disseram que conseguiram entender perfeitamente. Mesmo assim, achei o começo confuso, porque você não tem uma explicação exata daquilo estar sendo feito. Você não entende os propósitos da Abstergo em si, mas que a partir da metade do filme são explicados pouco a ouco. 

Pontos positivos: Cenas de ação, efeitos especiais e atuações. Eu não esperava menos quando falaram da adaptação, agora Michael Fassbender vai além do que já fez no cinema e consegue interpretar muito bem a vida passada e presente, com personalidades independentes uma da outra.




Nenhum comentário

Postar um comentário