29 janeiro 2016

Thiago Monteiro e Vitor Mendes

Hoje a coluna está repleta de afeto, conheço os 2 autores e eles são realmente incríveis como pessoa, escrevem textos incríveis e tem muita postura em rede social. Então convido s todos a lerem sobre a PAIXÃO de cada um deles por livros. *-*

"Dos amores que tenho em vida, há um dos qual sempre quero por perto. Foi um vicio sem tamanho. Algo que me consumiu desde o primeiro uso.
Eu não imaginava que aquilo poderia ser letal. Experimentei pela primeira vez e desde então não tenho parado. Tento dar um tempo, mas a abstinência me vence. Tento deixar de lado, mas a ausência me incomoda. Estou viciado.
Sou viciado.
Sou amante. Amante por natureza. Amante desde o primeiro contato. Amo o cheiro, a cor, a vida que eles nos proporcionam. Amo os livros de maneira imensurável.
Foi com eles que levantes castelos. Derrubei muros. Gritei palavras de ordem, e ao mesmo tempo me calei. Dei vida. Tirei-as também. Amei e odiei. Foi com os livros, esses meus amores, que aprendi que bens materiais podem não ser tão esdrúxulos como pensam. Eles possuem seu valores. Eles são o meu valor. Eles são tudo o que possuo."

********************************************************************
Página do livro: facebook.com/livromascarado
Página "Autor Thiago Monteiro": facebook.com/pages/Autor-Thiago-Monteiro
Instagram: @tyerresquizo
Email: tiago_tmocpv@hotmail.com
********************************************************************


"Não concordo, necessariamente, com a ideia tida como verdade absoluta de que "todo autor é um leitor". Por isso, retomando o que já expliquei na Parte 1, não pretendo assumir uma persona de autor famoso "fodástico" e elaborar um guia cheio de "leis" de sucesso. Pelo contrário, a intenção é compartilhar minha experiência com a escrita para que você me conheça melhor e, caso se identifique e/ou se interesse pelos assuntos abordados, passe a refletir sobre eles e colocar as técnicas em prática.

Já relatei que não obtive sucesso na escrita até conseguir entender o que escrever significava para mim, mas nunca deixei de ser um leitor voraz e observador dos estilos e peculiaridades de meus autores favoritos. Inicialmente, é óbvio que essa análise da escrita alheia era algo bastante inconsciente. O conteúdo era mais atrativo e importante para o Vitor de sete anos; continua sendo, claro, mas há tantas ferramentas que podem incrementar um conteúdo, que seria desperdício não as usar. Justamente por tanto ler, acabei internalizando vários desses estilos e, tão logo comecei a escrever minhas próprias histórias, reproduzi características de meus ídolos: escolhas de sintagmas, estruturação frásica e de períodos, expressões etc.

Dessa forma, posso avançar afirmando que a leitura não é "essencial" apenas para escritores e pessoas que se dizem "leitores viciados" - é uma prática complexa. Obrigatória, na atualidade, porém não compreendida e não realizada por muitos. Ao menos, não da forma que deveria. Afinal, o que é a leitura? Seria apenas a habilidade de decifrar sinais gráficos e saber o que significam as palavras que eles formam?

A leitura vai muito além disso. Ela envolve o conhecimento, pois estimula a reflexão e produção de informação; desenvolve: eleva o indivíduo à categoria de "pensador"; promove análise: aguça os sentidos e lapida a interpretação. E nesse quesito, meu amor é realmente presente de corpo e alma. Como tenho formação em Tradução e Interpretação, o que julgo mais importante é o "saber ler". Não proferir as palavras que os olhos veem ou ouvir as que alguém diz, mas compreender a mensagem. Olhar uma imagem e entendê-la - lê-la. Entender as sutilezas, o porquê do jogo de palavras, da ordem das mesmas, da sonoridade. Captar o dito pelo não dito, o que está nas entrelinhas. 

Meu real fascínio por livros começou aí, a partir do estudo do texto, da língua - e das línguas -, das literaturas. O que eu leio? Sou fascinado por didáticos, paradidáticos, HQs, mangás, revistas, editoriais e colunas de blogs e sites. Tudo para fugir do lugar-comum que é a ficção - gênero no qual me insiro como escritor -, mas também para ilustrar como é importante expandir o campo de leitura. Isso faz com que o leitor tenha contato com diferentes tipologias textuais e entenda como se dá cada gênero de texto com suas particularidades, e como esse conhecimento contribui na hora de expressar-se verbalmente. Sem mencionar o conhecimento de mundo que essas informações agregam.

Preciso fosse eu citar algumas de minhas inspirações e mestres responsáveis por obras fantásticas, seriam: C.S. Lewis - pela simplicidade com que trata assuntos tão profundos, passando pela moral e tocando no Cristianismo, indo de obras de ficção à não-ficção; J.K. Rowling - pela criatividade e genialidade de uma das séries mais ricas de todos os tempos; R.L. Stine - um dos autores em quem mais me espelho. Não apenas é um mestre do gênero suspense/terror, como o escreve para todas as idades, e sua produtividade na escrita é assombrosa; Clarice Lispector - a carga emocional injetada em cada obra é tão gigante que, uma vez iniciado em seus trabalhos, nunca mais fui capaz de ler qualquer coisa da mesma maneira.

Sou assumidamente apaixonado por livros e, apesar das vantagens interativas e até mesmo ecológicas e de armazenamento, não troco o livro impresso pelo digital. Há uma magia na cinestesia de segurar um conjunto de papéis impressos e encadernados, cheirá-los, folheá-los, abrir, fechar. Isso dito, o que importa não é se você lê através de um tablet ou um material impresso. Apenas... leia!"


**************************************************
Site Oficial:     http://vitor-mendes.com   
Facebook Pessoal: facebook.com/viihtor
Página do Livro:  facebook.com/opentagrama
Livro: O Pentagrama
**************************************************

Nenhum comentário

Postar um comentário