08 junho 2016

[Resenha] Perdida

Sinopse:
Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos... “Perdida” é uma história apaixonante com um ritmo intenso, que vai fazer você devorar até a última página.

O que eu achei?
Não é de hoje que ouço falar de Carina Rissi e seus livros, mas confesso que morri de medo de começar a ler, com a expectativa lá no alto, e me decepcionar, mas é claro que isso não aconteceu e descobri que Carina merece, e muito, todos os comentários maravilhosos que sempre ouvi.
Perdida conta a história de Sofia, uma jovem com a qual é impossível não se identificar, ela é muito focada em seu trabalho, apesar de odiar seu chefe e completamente viciada em tecnologia, viver sem computador e celular é simplesmente impossível. Quando Sofia deixa seu celular cair na privada, ela fica tão desesperada que sai o mais rápido possível para comprar outro, e acaba comprando, de uma vendedora bem sinistra, um celular que promete fazer tudo o que ela precisa, ela só não contasse que ele a fosse levar para o ano de 1830!
Ao, literalmente, cair no século XIX, Sofia é encontrada por Ian Clarke, que como um perfeito cavalheiro se assusta a ver uma moça semi-nua (bom, pros nossos padrões ela até estava bem comportada, mas naquele século suas roupas eram completamente escandalosas) na estrada de sua propriedade, ele logo deduz que ela foi assaltada e está confusa, pois não fala coisa com coisa.
Ao receber uma ligação da tal vendedora em seu celular, que só funciona quando quer, Sofia entende que está perdida no passado e que para voltar ao século XXI tem que completar sua jornada e encontrar o que procura. Mesmo sem fazer ideia do que deveria procurar, ela começa uma caça às cegas, tentando achar qualquer coisa ou qualquer um que possa ser uma conexão que a leve para casa.
Mulheres com pensamentos igualitários já sofrem discriminação no nosso tempo, que dirá no passado, assim Sofia é muito mal vista na vila, as outras mulheres acham ultrajante a forma como ela se veste e se comporta, mesmo passando a usar vestidos longos, Sofia não usa todos os aparatos que dão volume e pompa aos vestidos daquele tempo e se recusa a tirar seu belo e confortável all star vermelho.
Mesmo tendo que lidar com a falta dos confortos modernos (e olha que eu nem estou falando de tecnologia, lá não tinha nem banheiro!!) e com a desconfiança das pessoas Sofia se vê completamente envolvida por Ian e sua família, que a acolheram e a fizeram se sentir em casa. Passado, Presente e Futuro geram uma confusão de sentimentos, que nos prende até a última página.
Perdida é sem sombra de dúvidas um dos livros mais divertidos que eu já li, garantiu muitas risadas constrangedoras enquanto eu lia no metrô, e no final rolou uma lagriminha porque eu juro que não sabia que rumo a história ia tomar. Apesar de ser o primeiro livro de uma série (até agora com 3 livros), achei o final bem conclusivo, mas não resisti, e logo corri para ler o segundo livro, Encontrada, e me divertir ainda mais.

Quem quiser deixar comentários, serão respondidos com carinho. 
Beijinhos.


Nenhum comentário

Postar um comentário