20 novembro 2015

Adriana Igrejas e Leonardo Ottonelli

Adriana Igrejas


Estou entrando

Nem me lembro mais de quando descobri de fato a leitura. Sei que comecei a gostar de ler textos na escola. O corriqueiro se banaliza e pouco paramos para refletir sobre o ato em si. Abrir a página de um livro, ali encontrar letras, parágrafos, às vezes figuras e o que mais? Ah, o mágico de um livro é descobrir a cada leitura, que aquelas palavras têm poder.
“O poder da leitura”. Todos já ouvimos sobre isso. Mas de fato sabemos o quanto de poder pode haver no simples decifrar de palavras, frases, orações e períodos? Em um parágrafo um reino pode ser erguido ou destruído; em uma página, uma batalha ser travada ou um primeiro beijo ser dado ou roubado; ou ainda, em um capítulo um grande amor pode sublevar-se.
Para entender como é louco o processo de tirar emoções, lágrimas, risos e palpitações de páginas de papel ou digitais, basta que pensemos em um livro escrito em outra língua. Nada poderemos extrair dele, visto que não possuímos a chave, o código, que é a língua. Assim, se dá que a magia é para quem a conhece como decifrar. No entanto, o sensacional é que quanto mais se lê, mais o indivíduo domina a linguagem, tornando-se fluente naquele sistema convencional.
Já para escrever, o sujeito não necessita apenas das habilidades de leitor normal, mas do domínio mestre de sua própria linguagem em todos os seus matizes (semântica, léxico, linguística, sintaxe, pontuação concordância e regência) e a capacidade de contar uma história plausível e crível, caso contrário, o resultado será tão ruim quanto a leitura de um cidadão que estacou no analfabetismo funcional. Será pior, porque o escritor tem a responsabilidade maior de despertar o gosto pelos livros! O quão grande é o prejuízo quando um leitor iniciante se depara com um livro que não presta! Sim, pois vai associar leitura a algo negativo, difícil de entender ou tolo. Pois é, com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades! Stan Lee e o Homem Aranha que me perdoem a apropriação da frase neste contexto, mas vejo que tem tudo a ver. Nunca mais li do mesmo jeito, depois que me tornei escritora oficialmente. Leio avaliando e me tornei muito exigente!
E como é chato ser uma leitora exigente! Quero me esquecer de avaliar! Quero novamente me transportar para universos paralelos, viajar no tempo e no espaço, ter superpoderes e lutar em guerras e em torneios de MMA! Quero chorar e rir! Me apaixonar por personagens e sofrer com eles até o final feliz, ou não! Quero aprender coisas e melhorar meu vocabulário! E a felicidade se apresenta na minha frente na forma de um livro que me faz esquecer de que sou também escritora e revisora e que me proporciona tudo isso! Ah, um bom livro! Estou a sua caça e de vez em quando acho! E aí, então, tudo tem sentido!
Abro a primeira página. Com licença, estou entrando. Transporte-me! Um novo mundo à minha espera. Estou entrando. Transporte-me! Estou pronta! 


*********************************************************************
Livros: A Babá gótica, A Fórmula da Vida e Um Apartamento com Vista para o Mar
*********************************************************************

Leonardo Ottonelli


Meu amor aos livros Ler me transporta para mundos e realidades que muitas vezes, eu não viveria no mundo real. Através de um livro eu posso ser um vampiro, conde do século xv ou enfrentar um dragão em uma terra prometida. Ou um simples contador de histórias, que através de suas experiências informa e entretém os que o cercam. Ler me permite ser livre de ideias, pensamentos, vontades, anseios e inspirações. Um universo lúdico e mágico pronto para ser apreciado. A leitura engrandece o ser humano e enobrece a alma. A cada página, uma surpresa, angústia ou descoberta. Tudo é mágico, novo, intenso e inesperado. Sem livros, o mundo seria sem graça, sem cor. Os grandes pensadores não teriam seus feitos publicados e reverenciados através do tempo. O mundo seria vazio, sem sentimento e inspiração. Um lugar oco de culturas e argumentos. Como se o silêncio tomasse conta de tudo. O caminho da leitura é o caminho do saber. Da formação de ideias embasadas em fontes palpáveis. Um dos bens mais preciosos que nos foi concebido, o conhecimento. Bens materiais, posses, a própria carne perece com o tempo, mas a sabedoria é um legado eterno. Por isso, amo ler, escrever e contribuir para que a literatura sempre se reinvente através de capítulos emocionantes e verdadeiros. Preenchendo o mundo com ideias, sonhos, cultura, aventura e saber. Transformando a literatura em arte e a palavra em vida.



*********************************************************************
Livros:   O Pingente de Sangue e O Pingente de Sangue- As lendas do Oriente
*********************************************************************

2 comentários

  1. Legal estar aqui no Reino Literário Br e conhecer seus leitores lindos! Obrigada, Maísa! E espero que gostem de meu texto sobre a leitura na minha vida... Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado você Adriana, você é uma pessoa maravilhosa de conhecer. Obrigado pelo carinho de sempre! <3

      Excluir