23 novembro 2017

[Resenha] Todas as garotas desaparecidas

Sinopse: Faz dez anos que Nicolette Farrell deixou Cooley Ridge, sua cidadezinha natal, depois que sua melhor amiga, Corinne, desapareceu sem deixar rastros. De volta para resolver assuntos pendentes, Nic logo se vê imersa em um drama chocante que faz o caso de Corinne ser reaberto e remexe em antigas feridas. Logo ao chegar, Nic descobre que seu namorado da época está envolvido com Annaleise Carter, a jovem vizinha que foi o álibi do grupo de suspeitos para a noite do sumiço de Corinne. E então, poucos dias após a volta de Nic, Annaleise desaparece. Agora Nic precisa desvendar o desaparecimento de sua vizinha e, no processo, vai descobrir verdades chocantes sobre seus amigos, sua família e o que realmente aconteceu com Corinne naquela noite, dez anos atrás. Todas as garotas desaparecidas é um suspense psicológico impactante — contado de trás para frente. Quando você pensa que está seguindo por um caminho conhecido, Megan Miranda — autora revelação no gênero do suspense — vira tudo de cabeça para baixo e nos faz questionar até onde estaríamos dispostos a ir para proteger aqueles que amamos.

O que eu achei?
Até onde você iria para desvendar um mistério de seu passado?
esse é o ponto de partida de "Todas as garotas desaparecidas".

O livro conta a história de Nicolette, uma mulher que largou a vida do interior para trás após o desaparecimento de sua melhor amiga, Dez anos se passam e ela se vê voltando a Cooley Ridge, o que ela não esperava é que tudo se repetiria.


Eu sinceramente esperava muito mais deste livro, quem me conhece, sabe o quanto amo O gênero, e lê-lo foi minha escolha, a história tem boas divisões, inicia com Nicolette, contando de seu cotidiano, de sua vida de conselheira, seu noivo, e de seu relacionamento, não tão estável com seu irmão Daniel, até receber uma carta de seu pai, quando parte rumo a Cooley Ridge e reencontra seu antigo afair; até ai, tudo bem... o livro tinha TUDO para ser sensacional mas em algum momento ele se perde, e você se pergunta, será que eu quero realmente saber o que aconteceu?


A cronologia reversa, sim o livro é escrito de trás pra frente, é o que te prende e te faz querer terminar, podemos dizer que é o ponto mais positivo da história, a leitura não é cansativa e a autora sabe como prender, esse tipo de escrita, exige uma leitura mais atenciosa. para que o leitor não perca o fio da meada.


É perceptível, uma atmosfera falha de suspense, e as vezes até nula,  por ser uma cidade pequena, todos sabem de tudo, e o principal vilão e até mesmo aliado da história é a famigerada fofoca, posso até tentar dizer, que essa pode ser a moral da história.


Apesar da história se amarrar, eu realmente esperava um final mais completo, ao meu ver, a história se desenvolveu fluida todo o decorrer do livro, para no seu desfecho, ser um tanto corrido e sem surpresas, definitivamente mais do mesmo.


Não vou dizer que o livro é ruim, longe disso, mas está longe ser surpreendente e até mesmo algo que realmente seduza o leitor.


OBS: gostaria muito de falar mais sobre a personagem em si,  mas se o fizer darei todos os spoilers possíveis não seria legal



Por Juliana Brito
  

4 comentários

  1. Humm... quero esse livro desde que li a sinopse acho que mês passado. A história me chamou a atenção e amo esse gênero. Depois de ler essa resenha, terei cuidado em não ir com tanta sede ao pote, só espero não me decepcionar feio.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Não conhecia o livro, mas fiquei curiosa para descobrir o que de fato aconteceu, uma pena que a autora se perdeu com a história.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju.
    Estou lendo mais livros de suspense/thrilers, mas não fiquei muito interessada em ler esse livro.
    Achei a narrativa interessante. Utilizar a cronologia reversa é uma ferramenta bem interessante e instiga o leitor a ler até o final para saber o que realmente aconteceu. Pena que o final te decepcionou.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olha, a sua resenha me fez ver o livro com outros olhos, todos estão falando tão bem do mesmo e, de verdade, não gosto quando o livro é superestimado, gosto de entrar na história já sabendo quais são os pontos fortes e fracos.
    O que me chamou mesmo a atenção para a história foi a narrativa, por ser reversa, nunca li nada parecido e, por esse motivo seria bom me aventurar nesse tipo de escrita.
    A resenha está show!

    ResponderExcluir