30 julho 2017

[Entrevista] Alexia Road


Oi pessoas! Hoje temos um papo com a Alexia Road. Espero que gostem! ♥

1. Quais são seus livros?
Os paradigmas de Amy que foi lançado em modo físico pela editora pandorga. E os dos Wattpad: Céu Noturno, Segundas Chances, Dia dos namorados e noite dos solteiros!, Além do tempo e Meu personal trainer. 

2. Como surgem seus personagens?
Geralmente quando estou deitada para dormir, luz apagada e olhos fechados. Minha cabeça vai longe e sempre demora a voltar! Fico pensando nos meus trabalhos e logo tenho uma ideia nova.

3. De alguma forma seus personagens se parecem com alguém que conhece?
Ah, sim! Vários dos meus personagens são parecidos com pessoas do meu cotidiano, incrivelmente alguns deles foram escritos antes de eu conhecer a pessoa com que ele combina! Uma doideira.

4. Qual o seu livro e autor favorito?
Essa é bem difícil! Mas uma séria que eu adoro e sempre estou relendo é Night Huntress da editora novo século, é uma pena que pouca gente conheça aqui no Brasil. E eu amo a Richelle Mead e a Megan Maxwell. Realmente não consigo escolher entre elas!

5. Se pudesse recomendar 2(apenas dois) livros, quais seriam?
Só 2? Hmm... O beijo das sombras e A caminho da sepultura. Os nomes são sombrios, mas não é o que parece rsrsrs

6. Atualmente o mercado editorial brasileiro está em crise, cada vez é mais difícil publicar um livro, qual foi a sua maior dificuldade na publicação?
Captação de recursos. Tenho uma investidora que quis apostar em mim, sem ela, eu não teria publicado nada agora.

7. Conte três curiosidades sobre seu livro, sem spoiler hein..
Os paradigmas de Amy: Logo na capa eu falo sobre o Thomas, o filho da Amy, o engraçado é que eles moram no condado de Thomas no Kansas e eu só fui descobrir bem depois! A combinação não foi proposital. Antes de ser lançado pela editora, parte do conteúdo do livro já tinha sido disponibilizado na internet em forma de fanfic e tiveram mais de 8 mil acessos no capítulo único. ♥ Escrevi a primeira vez desse livro há mais ou menos quatro anos atrás, deixei ele parado e quando reli, cheguei à conclusão que estava tudo errado! E foi reescrevendo que cheguei a versão das livrarias.

Céu noturno: Foi o primeiro livro onde botei um casal homo e realmente amei fazer isso com os meus coautores! O Doon do livro é inspirado justamente em um dos coautores, no caso o Paulo. Escrevíamos em conjunto quando dava, mas a verdade é que nos enrolávamos para postar (eram posts-fixos aos sábados às 19 horas) e às vezes um dos coautores não sabia como o capítulo estava finalizado até ser postado! Surpreendíamos a nós mesmos e amávamos a surpresa.

8. Antes de iniciar o livro já o têm pensado com princípio, meio e fim, ou o enredo vai aparecendo à medida que avançam na história? 
Tento fazer um planejamento, mas nunca consigo seguir à risca! Sempre tenho uma ideia no meio do processo de escrita que acho que se encaixa melhor. Basicamente para mim eles servem mais para não esquecer a ideia do que algo a ser seguido.

9. Quais os planos literários para o futuro?
Estou escrevendo um livro em parceria com a Vivian Caroline que espero que fique pronto ainda este ano. Também tenho o projeto de transformar o meu conto “Bons sonhos, Serena” que saiu na coletânea “Crônicas da intimidade” em um romance completo. E tenho 2 outras ideias que ainda não estão bem formadas, mas sei que serão livros extensos.

10. Deixe um recadinho pros leitores.
Gostaria de agradecer a vocês por lerem a entrevista, por estarem comigo no Nyah!, Wattpad e nas livrarias. O carinho que recebo não tem preço! E fiquem de olho na literatura nacional, temos livros ótimos! Vale a pena dar uma chance.

Agora um De frente com Maisa: Curiosidades sobre você.

1. Um lugar memorável?
Balneário Camboriú! Amei demais ficar lá.

2. Um livro inesquecível?
Extraordinário!

3. Ler ou ser lido?
Ler.

4. Qual maior loucura que você já cometeu?
Já deitei em meio a uma Av. movimentada no Rio de Janeiro de madrugada (espero que meus familiares nunca leiam isso! Rsrsrs)

5. Seu cantor(a) favorito(a)?
Momentaneamente é a Dua Lipa

6. Um autor?
Jeaniene Frost.

7. O desejo da tua vida?
Formar-me em 3 faculdades. Ter uma vida confortável e um cantinho com o meu boy.

8. Um cheiro inesquecível?
Alfazema! É o cheirinho da minha avó, mesmo quando ela não passa perfume!

9. Um sonho de consumo?
Ficar rica hahaha

10. Alexia por Alexia, quem é você?
Uma completa viciada em livros e séries. Gosto de pessoas sinceras, animadas e simpáticas. Adoro pessoas criativas e tenho um lado muito forte que sempre me faz admirar alguém, seja famoso ou não.


29 julho 2017

[Crítica Musical] Maria Gadú - Guelã: Ao Vivo


Guelã, nascido do silêncio, dos acordes dedilhados no escuro, do canto que se eleva e ecoa no vazio solitário, e das batidas do coração para os tambores, baterias e percussões, foi a forma que, agora, com o registro visual ao vivo, se enche e se transborda de vida.

“[...] ave nascia de um dicionario indígena que eu encontrei pelos livro que eu tava lendo. A ave chamava guelã. A Lua trouxe a ave pra mim. A gaivota.”

Maria Gadú voa livre e sem medo no seu mais novo DVD, Guelã Ao Vivo, gravado no Centro Cultural de São Paulo (CCSP), no dia 11 de Agosto de 2016. O registro conta com 18 faixas, onde a cantora apresentou todo o álbum Guelã mais faixas dos álbuns anteriores, com uma sonoridade completamente renovada, e muito mais a vontade no palco. Deixando de lado o típico violão que sempre a acompanhava, Gadú chega com sua guitarra elétrica e sons distorcidos, dividindo o palco com mais três músicos apenas – diferente de seu último DVD solo. O registro do nascimento de uma nova era artística.

“[...] as coisas vão ficando exuberantemente claras quando o silencio rola. Tudo é bonito e feio. É vivo e morto”


Explorando as ideias de solidão e silêncio, conceitos que deram origem à atmosfera do álbum de estúdio, o show apresenta uma estética intimista, com jogos de luz indireta e holofotes médios para cada músico no palco, dando um ar de solenidade à toda a apresentação.

Sonoramente, Gadú continua se reinventando e experimentando, criando arranjos completamente novos para faixas do seu primeiro álbum, Maria Gadú (2009). Do seu segundo álbum, Mais uma página (2011), apenas a faixa Axé acappella foi incluída.

O show, que conta com a direção da própria cantora, se mostra uma obra poética, uma viagem ao que Maria Gadú se transformou. O som cru, barroco, experimental, ganha vida e se expansona para criar uma conexão quase que espiritual entre artista e espectadores. Suas composições tornaram-se mais complexas, mais poéticas e mais intimas.

Além do show, o DVD conta com dois conteúdos extras. Um deles é o vídeo-clipe para a faixa Trovoa, dirigido pela própria Maria Gadú e com a participação dela e de Lua Leça. O outro, é o mini-documentário A terceira asa, também dirigido pela cantora; um apanhado de registros pessoais que mostram o processo criativo do álbum Guelã, desde o nascimento do conceito até o o álbum finalizado, tudo narrado pela própria artista, que despe sua alma e expõe-se de maneira única.

Guelã Ao Vivo é, sem dúvida, um dos melhores shows que já assisti. Uma experiencia imersiva e poética que merece todo sucesso do mundo.

“Eu virei a guelã.”

TRACKSLIT:

1. suspiro
2. obloco
3. ela
4. bela flor
5. paracuti
6. escudos
7. trovoa
8. altar particular
9. lounge
10. sakédu
11. ne me quitte pas
12. vaga
13. tecnopapiro
14. axé acappella
15.
16. laranja
17. aquária
18. semi-voz

Obs.: o álbum de estúdio também já possui uma Crítica aqui no blog. Para ler, só clicar aqui.


28 julho 2017

[Nerds & Geeks] Lugares com temática geek

Essa semana ao invés de falar sobre algum tema do mundo nerd e geek, resolvi falar de alguns lugares aqui no Rio de Janeiro também (incluindo o município onde eu moro, Niterói).

Queria falar que se vocês souberem de outros lugares com a mesma temática, compartilhem aqui. E não me refiro somente ao RJ, pode ser de qualquer estado. Vamos tornar o Brasil mais geek! Tenho a sorte de morar ao lado de dois deles, o Boards & Burgers e o Dice n´´ Roll Coffee Tales.

1) Boards & Burgers

Esse lugar é uma hamburgueria e uma ludoteca. Os hambúrgueres são deliciosos, há opção vegetariana, com aioli de abóbora, bacon, mozzarella de búfala, carne suína, para todos os gostos. Também tem batata rústica (ou canoa, como alguns chamam) com uma variedade de molhos e porções de anéis de cebola, mozzarella sticks e nuggets. Deu água na boca\ Ótimo porque você vai precisar se alimentar enquanto joga os jogos de tabuleiro do imenso acervo (são mais de 300!). Funciona assim:durante os dias da semana, você paga uma taxa de 15 reais e pode jogar por duas horas. Ás terças tem um desconto e toda quarta há um quiz com uma temática geek e por 15 reais você participa. São 3 rodadas de 5 perguntas cada e há prêmio por rodada e um grande prêmio para quem acertar mais perguntas em todas as rodadas. No coração de Icaraí, na rua Mariz e Barros, fácil de chegar. Se você vier do Rio capital, sugiro pegar o 740, 750 ou 775, descer na esquina da praia de Icaraí com a Mariz e Barros e andar até o Boards & Burgers.


2) Dice n´ Roll Coffee Tales

Também localizado em Icaraí, na Rua Herotides de Oliveira, esse lugar tem um café que serve algumas comidas com nomes criativos como David Brownie (trocadilho com Bowie, caso você tenha perdido a brincadeira). O acervo é composto de jogos de tabuleiro mas ele se concentra mais em RPGs. Para desfrutar dos jogos durante um dia, o cliente deve desembolsar  apenas dez reais, levando seu próprio jogo. Se quiser jogar algum jogo da ludoteca do lugar, paga quinze, sem direito à consumação. Se quiser consumir algo, paga 25 com direito a consumação de 15. Funciona de segunda a quinta das 15 às 23 horas, sexta e sábado das 15 à meia-noite e domingo das 15 às 22 horas. Dica: por ser do lado do Campo de São Bento, é um bom lugar para relaxar depois de capturar Pokémons lá! 


3) Barzinga Geek Planet 

Localizado em uma rua meio escondida entre o Centro e a Lapa, a rua Dídimo (dica para chegar:faz esquina com a Rua do Senado) esse é o estabelecimento mais novo da lista. Foi inaugurado em abril desse ano. No mesmo estilo dos outros, tem hambúrgueres, salgadinhos, milk-shakes, jogos de tabuleiro e decoração com pôsteres de jogos, séries de TV, filmes, etc. O diferencial do Barzinga é que ele também tem drinks battizados em homenagens à itens famosos da cultura pop, como Entrevista com o vampiro, Tatooine Milk (o planeta natal da família Skywalker), Bulba por causa do Pokémon Bulbasaurl entre outros. Eles fizeram um evento especial para a estréia da sétima temporada de Game of Thrones e irão fazer um evento para comemorar o aniversário de Harry Potter e da J. K. Rowling na segunda, dia 31 de julho. O Barzinga abre segunda, terça e quarta das 11:30 até as 21 horas, quinta e sexta das 11:30 até meia-noite e sábado das 16 até meia-noite.




4) Livraria Cultura 

Há somente duas filiais na cidade do Rio de Janeiro:uma no Centro, na rua Senador Dantas e a outra dentro do São Conrado Fashion Mall, no bairro homônimo. Nem todo mundo sabe mas a livraria conta uma seção Geek, que vende quadrinhos, action figures, trading card games de Yu-Gi-Oh, Pokémon, Magic e outros, blusas e acessórios do mundo nerd.E na seção de papelaria, vendem-se jogos de tabuleiro. Há um grupo que se reúne todo sábado para jogar RPG. A Cultura do Centro fica na Rua Senador Dantas, número 45 e a do Fashion Mall, na Estrada da Gávea, número 899. A do shopping funciona de segunda a sábado das 10 às 22 horas e domingo das 15 às 21 h. A do Centro funciona de segunda a sábado das 9 ás 21h e não abre aos domingos.



5) Magic Games

No maior shopping da zona norte da cidade, no bairro do Cachambi, está localizado uma gema que nem todos os cariocas conhecem: a loja Magic Games. Há várias máquinas de jogos, fliperamas e simuladores, até me lembra um pouco o HotZone do Barra Shopping. Lá também tem aquele sistema: quanto mais você joga, mais tíquetes consegue para trocar por brindes melhores. Fica na Avenida Dom Hèlder Camara, 5.474.Abre de segunda a sábado das 10 ás 22h e aos domingos e feriados das 11 às 23h. 


Obs: Enquanto elaborava a lista de lugares, iria acrescentar o Geek Mix Bar, em Copacabana, onde comemorei meu aniversário esse ano. Infelizmente, quando pesquisei a página deles no Face, soube que tinha fechado. Espero que reabram! 




[Resenha] The X Files: O advogado do diabo

Como Dana Scully se tornou cética? Antes de entrar para o Arquivo X, antes de ser uma agente do FBI, antes de estudar medicina, Dana Scully era uma nerd excluída no colégio. Mas quando seus colegas começam a morrer em circunstâncias suspeitas, ela talvez fosse a única capaz de impedir novas mortes.                                                                                                                                                                                                    
O que eu achei?
Arquivo-X é um daqueles programas que sempre me fascinaram, sempre tive curiosidade de assistir mas ainda não tive tempo de ver devido à enorme quantidade de títulos que tenho para ler e filmes e outros seriados para assistir que tenho. Quando recebi esse livro, tive um pouco de receio que não fosse entender alguma parte importante do enredo, já que não acompanhei a série, que foi exibida de 1993 a 2002.

A história começa apresentando a personagem Dana Scully, uma menina de 15 anos que mora com sua família, seus pais Margaret e William, sua avó, sua irmã mais velha, Melissa e seus irmãos Charlie e William Scully Jr. A família acabou de se mudar da Califórnia para uma cidade no estado de Maryland chamada Craiger. Enquanto se adapta ao novo colégio e aos novos amigos, ela descobre que está havendo uma série de mortes misteriosas de adolescentes no condado e no condado vizinho. Vários adolescentes morreram em acidentes de carro.

Tudo vai bem no colégio, até que um dia durante a aula de Educação Física, Dana ouve soluços no vestiário e tem uma visão da última vítima, Maisie Williams, chorando e sangrando pelos pulsos. Ela corre e chama a classe mas quando chegam lá, está vazio. Publicamente humilhada, Dana começa a ter sonhos com um personagem misterioso que oculta o rosto e alega ser um anjo.

Ethan Hale, um garoto da turma de Dana, se aproxima e faz amizade com ela. Eles começam a investigar as mortes e Ethan os leva para olharem os laudos das mortes de seu tio que trabalha no FBI. Após uma minuciosa pesquisa, Dana percebe que cada morte foi arquitetada para se assemelhar à morte de uma figura religiosa famosa, Jesus Cristo, Judas Iscariotes, os apóstolos, etc.

A dupla começa a frequentar o centro espiritual Além do Além, onde a proprietária, Corinda Howell e o médium Luz do Sol fazem tratamentos para iluminar e guiar as pessoas. Enquanto isso, sem que Dana e Ethan saibam,cada passo seu está sendo observado por Malcolm Gerlach, uma figura misteriosa e seus agentes. A narração é feita sempre em terceira pessoa e achei interessante ver como a história vai mostrando a evolução do ceticismo de Dana-a princípio ela era mais propensa a acreditar no sobrenatural, em temas como Deus, anjos e demônios, reencarnação, etc mas conforme a trama vai se desenrolando e a reviravolta no final é revelada, ela perde a fé e se torna uma mulher que crê apenas na ciência.

O estilo de Jonathan Maberry, autor best-seller do New York Times, não é difícil de acompanhar e mesmo quem é leigo em relação à série de TV, como eu, consegue acompanhar. Curti a atmosfera de mistério envolvendo projetos secretos do governo, o amanhecer da tal da Era Vermelha (que só descobrimos o que significa no final do livro) e a abordagem de temas como as aulas de kung fu de Dana e técnicas de meditação e projeção astral. Um personagem que apesar de aparecer pouco maz ganha certo destaque na trama, é a avó de Dana, que todos julgam estar gagá mas tem surtos de lucidez e sabe bem mais do que aparenta. E uma frase que achei marcante: ´´Quanto mais perfeita a pessoa parecer no exterior, mais demônios ela tem no interior´´, uma citação de Freud usada pelo autor para marcar o início da segunda parte. É uma leitura interessante, recomendo tanto para os fãs veteranos de Arquivo X tanto quanto para quem quer começar a se aventurar por esse universo, como eu. Só aumentou minha vontade de assistir a série.



27 julho 2017

[Agenda] Programação do Circo Voador de 4 a 11 de Julho

Agosto é mês de grandes atrações no Circo e, como já é de praxe, trago para vocês o que tem de melhor nos próximos fins de semana! 

Sexta e Sábado, 04 e 05/08

Mallu Magalhães (22h)

A gente estava ansioso por um novo álbum e ela não se fez de rogada. Mallu desembarca no Circo Voador para matar a nossa saudade e apresentar seu aguardado disco ‘Vem’, além de sucessos da carreira e da Banda do Mar como “Velha e Louca”, “Sambinha Bom”, “Mais Ninguém” e “Muitos Chocolates”. Ah, ela também prometeu algumas surpresas no repertório!

Quinta, 10/08

Hamilton de Holanda e Baile do Almeidinha (21h)

Há cinco anos que Hamilton de Holanda e a magnífica banda do Baile do Almeidinha resgataram a cultura de baile gafieira no Circo Voador. Hoje é um programa obrigatório para quem aprecia uma boa música e gosta de dançar no salão. De lá pra cá, muita gente boa passou por aqui como Hermeto Pascoal, Roberta Sá, Luiz Caldas, Marcelo D2, só pra citar alguns. Nessa edição de aniversário, Hamilton avisou que convidados estão escalados para uma canja especial. Nos intervalos, DJ Lencinho, residente do baile desde a primeira edição! Venha viver este baile histórico!

Sexta, 11/08

Ratos de porão e Devotos (22h)

O punk rock hardcore vai imperar na Lapa! Os cavaleiros do apocalipse Ratos de Porão dividem a noite com outra lenda do estilo, Devotos, que vem direto de Recife para se apresentar pela primeira vez no Circo em uma inédita e avassaladora dobradinha.

Postado por Julio Gabriel

[Crítica] Os meninos que enganavam nazistas

Durante um período de ocupação nazista na França, os jovens irmãos judeus Maurice (Batyste Fleurial) e Joseph (Dorian Le Clech) embarcam em uma aventura para escapar dos nazistas. Em meio a invasão e a perseguição, eles se monstram espertos, corajosos e inteligentes em sua escapada, tudo com o objetivo de reunir a família mais uma vez.                                                                                                                                                                            
O que eu achei?
Este não e um filme qualquer sobre nazismo, até porque não existe uma fórmula certa para adaptar para o cinema uma história que é uma verdadeira ferida na humanidade. Não sou desta época fatídica, mas sem dúvida fica o sentimento de impunidade, e obviamente mais uma vez me emocionei.

Em 1941, Paris é ocupada pelo temido exército nazista, obviamente o horror é instalado imediatamente. Nesta cidade reticente a respeito de seu futuro conhecemos Joseph e Maurice, dois meninos que moram com seus pais e dois irmãos mais velhos, todos judeus, e que terão suas vidas devastadas. Os irmãos terão que abandonar sua casa, seu país na tentativa de fuga dos soldados nazistas.

O que eu pensava enquanto assistia eram coisas do tipo "não é possível que eles vão sozinhos" ou "são apenas crianças, não é possível!". Fiquei com um nó na garganta, um sentimento de injustiça enraizado por uma época triste da humanidade.

Após fugir da França e fazerem um caminho tortuoso de trem até a Itália, Joseph e Maurice prometem que nunca irão se abandonar e que sempre lutarão para estar de volta para sua família.

No decorrer do filme podemos assistir várias tentativas desta família ficar unida. Quando achavam que tudo estava bem e instalados na Itália, o exercito nazista chega ao país, e assim, mais uma vez, sua família terá seus sonhos desfeitos.

Os irmãos vão parar num colégio católico e ficam por lá escondidos ate o dia em que serão capturados pelos temidos soldados nazistas, onde de fato conseguirão enganá-los. Mas até isto realmente acontecer, os irmãos irão sofrer muito. Infelizmente me rendeu momentos de aflição e me fez repensar na maldade humana.

Com um figurino impecável, diálogos afiados e uma fotografia que nos presenteou com imagens lindas dos países retratados na história do filme. Em meio aos cacos, eu ainda ficava pensando “que lugar lindo!", "olha essa roupa". Por ultimo uma salva de palmas para atuação dos atores Batyste Fleurial e Dorian La Clech que tão lindamente deram vida a personagens incríveis.

O filme merece ser visto pela simplicidade de encantar mesmo sabendo que a historia foi dolorosamente real. Fica a minha torcida para que os homens jamais voltem a tanta atrocidade.

Trailer:



26 julho 2017

[Resenha] Uma Morte Horrível

Zoé trabalha em excesso e ainda precisa suportar o namorado desempregado e grosseiro. Até que cruza o caminho de Thomas, um escritor de sucesso à procura de inspiração.Nada intelectual, ela não sabe diferenciar Balzac de Batman, mas vai ter que ficar esperta… porque Thomas esconde um segredo que coloca Zoé no meio do que pode se tornar o escândalo literário do século. De uma das quadrinistas mais conhecidas da França, Uma morte horrível é uma história de amor e ambição com uma heroína inesquecível.
O que eu achei?
Confesso que a cada HQ que leio me encanto mais por este universo em quadrinhos, então é claro que me apaixonei por “Uma Morte Horrível”, que com seus traços belíssimos, usando o humor da ironia nos traz uma grande mensagem e nos faz questionar o que de fato é estar vivo, qual é o nosso limite para alcançarmos o que consideramos ser uma boa vida, mas principalmente o porquê nos submetemos a certas situações, será que vale a pena?

Primeiro conhecemos Zoé, uma jovem que é completamente infeliz com seu trabalho e com sua vida amorosa, tem o pior dos namorados, daquele tipo grosseiro e abusador, que ninguém precisa aceitar, mas não sei porquê, tanta gente tem e não enxerga, sem contar o seu emprego de hostess, ela odeia e por falta de ambição continua nele, mesmo reclamando das coisas que precisa se submeter, como os clientes abusadinhos, e as fantasias ridículas. Tudo isso a faz se sentir mais morta do que viva.

Até que, por mero acaso, sua vida, ou morte, esbarra na de Thomas, um homem muito misterioso, porém mesmo com todos os seus mistérios é ele quem faz Zoé se libertar, tanto do namorado abusador, quanto do emprego desastroso. Porém enquanto ela, não demonstrava ambição nenhuma, Thomas se mostra a ambição em pessoa, e vive por sua carreira de escritor, não que isso seja errado, mas até um sonho deve ter seus limites, não?

Ao mesmo tempo que o livro é muito engraçado, ele também é triste, afinal, sempre ficamos assustados e deprimidos vendo o que a ambição é capaz de fazer nas pessoas, Pénélope Bagieu mostra com perfeição essas nuances da vida e as facetas do ser humano. Ao meio das mudanças bruscas de cenário, Zoé, nossa protagonista se saiu muito bem, se mostra mais inteligente do que eu esperava dela, sendo bem sincera, ela se vira, e enquanto muitos rejeitam a mudança, ela a recebe de braços abertos de forma muito inteligente, o que resulta num final genial e hilário.


25 julho 2017

[Cobertura] Uma brasileira na San Diego Comic Con!


Na última semana, estive no maior paraíso Nerd do Planeta, a SDCC!

Como toda BR de primeira viagem, passei o famigerado perrengue pra chegar né?!

Fui com uma caravana, siiiim... existe caravana para a SDCC no BR (https://comicconvamos.wordpress.com/), Consegui ingresso para TODOS os dias , inclusive a preview night, onde só um percentual do público consegue... e olha que posso dizer que tive MUUUITA sorte!





San Diego Respira a convenção para todos os lados que olhamos vemos referências a séries, filmes e quadrinhos, é simplesmente maravilhoso.

O melhor é que a ideia é abranger todos, quem tem e quem não tem o Badge, pois há diversas atividades na área externa do centro de convenções.
Este ano, tivemos atividades externas de Legion, The walking dead, Stranger things, Defenders, Kong, NinjaGo, American Horror story, entre outros...



Todos os participantes da convenção recebem um kit, com: Sacola, badge, guia e Cordinha.

 Imagem ilustrativa 


Imagem ilustrativa


No Interior da Convenção vemos stands Grandiosos, com área interativas e brindes para dar e vender (AMO BRINDEEEEEEES!), tudo com muita educação e muita organização.
Os stands com maior destaque são: Marvel, DC, AMC, Fox e Warner.

Marvel e DC, com distribuição de Hq´s e pôsters a todo tempo, com programações de autógrafos todos os dias.
Warner: Distribuição d diversos brindes, revistas colecionáveis, pôsters e com programação de autógrafos TODOS oss dias, passaram por lá os casts: de IT, TBBT, SUPERNATURAL, GOT, RIVERDALE, entre outros.



Fox: Tubos para posters e posters de suas séries.
Amc: Levou para a SDCC uma gama de zumbis  e um grande cenário de The Walking Dead.



Para quem curte colecionáveis, a SDCC não deixa nada a desejar, Action Figures  e Hot Toys lindissimos, da uma olhada nesse de Stranger Things:


As Filas para os paineis são um show a parte e é tipo “ não existe SDCC, se não passar pelo menos uma noite na fila”, eu passei 3!
Peguei painel, na quinta para ver Kingsman, sexta pra ver The big bang Theory e sábado por conta da Marvel  e DC.
E o que mais me surpreendeu, foi o fato dos artistas irem de mdrugada na fila pra saber se estamos bem... isso me deixou realmente impressionada e me senti  respeitada e reconhecida de alguma forma.

Painel de Kingsman

Painel The walking Dead

Painel Liga da Justiça

Painel de Stranger Things

Painel de Thor Ragnarok

Painel Pantera Negra

Painel de The Big Bang Theory


Posso dizer que foram os 5 dias mais Incríveis da minha vida, sai de lá com muito mais cultura, nerd e popular e com a certeza de que em 2018 quero estar lá novamente....
ahhhhh e pra quem curte um stalker, nem precisa ir longe eles estão na Rua o tempo todo!

Dominic Cooper (The Preacher)/Matthew Lillard (Scooby doo  - Scream)


E você também sonha conhecer a SDCC?
Conta aqui pra gente...
Veja o Vídeo no YouTube:





Escrita por Juliana Brito