30 outubro 2016

[Crítica] Bruxa de Blair

Sinopse:
Um grupo de estudantes de Milwaukee, durante uma viagem para acampar em uma das florestas da região, decide penetrar ainda mais no coração das árvores do que o previsto e acaba descobrindo que a floresta esconde seres perigosos.

O que eu achei? 

Como um bom filme clássico, foi um filme feito para fãs carentes de filmes de terror, não à toa estamos tendo tantas refilmagens nestes últimos anos.

O filme incia com a história de James que tem sua irmã desaparecida, surge um vídeo numa rede social e ele atribui que seja sua irmã na filmagem, lembrando que sua irmã despareceu na mesma floresta falada no 1º filme de A bruxa de Blair: Burkittsville. James toma decisão de descobrir quem filmou o vídeo e se não encontrar sua irmã, ao menos possa saber o que de fato aconteceu.

Então James acompanhado de seu melhor amigo Peter, Lisa e Ashley decidem encontrar com Lane, mas o que eles não esperavam é que o vídeo não foi feito por Lane, nem por sua namorada Talia, então os 6 decidem descobrir o que de fato acontece na floresta e se organizam para dormir uma noite lá.
Obviamente como um ótimo filme de terror tudo começa a acontecer quando eles entram na bendita floresta(quem em sã consciência faria isso gente?), são vários desentendimentos entre ambos os grupos, sons, coisas que surgem do nada. Ainda assim eles persistem  em continuar, mas o que vem a seguir é uma sequência incrível de machucados entre eles, brigas, sumiços e quanto tentam sair da bendita floresta, nem mesmo um GPS e um drone será capaz de ajudá-los. 
Durante a noite o verdadeiro inferno na vida deles virá à tona: cruzes feitas de galhos, pessoas que gritam e desaparecem, um verdadeiro filme de ação e tenso( ao menos para mim). Mas afinal o que realmente aconteceu a irmã de James? Posso garantir que não darei spoiler, então...

Certamente este filme irá agradar ao bom e velho público de terror, os sustos, o suspense, a adrenalina do que está por vir está presente do início ao fim desta refilmagem marrrravilhosa. 

Trailer:


27 outubro 2016

[Resenha] Desejo Proibido

Sinopse:Katherine Lane nasceu em berço de ouro. Filha e neta de senadores, a bela ruiva de olhos verdes e curvas perfeitas se formou em Literatura e surpreendeu a todos ao decidir dar aulas em uma penitenciária.  Mas quando Carter, um detento inteligente e perigosamente sexy, desperta ao mesmo tempo a raiva e o desejo de Kat, ela é forçada a admitir para si mesma que a decisão de lhe dar aulas particulares pode ter sido motivada não pela generosidade, mas sim pela crescente atração entre os dois.  Embora a família e os amigos de Kat temam que a paixão destrua sua carreira e sua vida, tudo o que ela quer é ficar com esse homem que a faz sentir-se completa. Porém Carter guarda um segredo que tanto pode unir seus destinos para sempre quanto afastá-los de uma vez por todas. 

O que eu achei?
Katherine é uma jovem de 24 anos, rica, muito bem educada e trabalha num presídio cumprindo uma promessa feita a seu pai que ajudaria pessoas a se tornarem melhores.
Weslley Carter tem 27 anos e cumpre sua sentença no presídio em que Kat dá aulas, conhecido como um verdadeiro bad boy que sempre cometeu infrações até ser sentenciado por porte de drogas.
Mas o que estas vidas tem em comum? Ah! O destino vai dar um jeito de unir duas pessoas tão diferentes.

Kat acredita que pode transformar  vidas e fazer diferença na vida de sentenciados a viver num presídio, ensina com verdadeiro amor a pessoas renegadas pela sociedade. Um belo dia ela conhece Carter, novo aluno de sua aula de Literatura Inglesa, mas nada será como antes.
Em seu primeiro dia de aula Carter arruma confusao com outro preso e é agredido por um do carcereiros, fazendo que Kat intervenha em seu favor, mas ainda assim Carter tera 24 hpras de castigo por sua indisciplina.
Mas o que Kat não contava é que Carter sofre de crise de ansiedade e causada por ela, explicando: quando era uma criança Carter salvou Kat de ser morta pelos assassinos de seu pai, que além de roubarem, também o mataram. Detalhe que é explicado logo no começo do livro, então sem spoiler( não me matem). Numa conversa com diretor do presídio Kat decide ajudar Carter(que ela começa a chamar de Wes) a fazer a o pedido de liberdade condicional, desde que eles possam continuar com o estudo de forma particular. 

Assim que começam as aulas particulares na cela de Wes começa a rolar um clima entre eles, o que deixa Kat muito perturbada, pois começa ter sonhos eróticos todas as noites com Wes. Passa- se um tempo e enfim audiência para liberdade condicional de Wes acontece e enfim aceitam que ele possa sair da cadeia, mas com a condição de se ressocializar e manter os estudos com Kat. 
Aí que a vida dá uma verdadeira girada, pois Wes terá que conviver com pessoas que faziam parte de "seu lado ruim", daquela vida anterior a ser preso; em paralelo Kat se sentirá extremamente pressionada por sua mãe a não continuar ensinando para um ex- detento, temendo pela vida de sua filha.
Durante as aulas particulares surge uma erotização de pensamentos de ambos, o que foi fenomenal durante a leitura, saber o que ambos estavam pensando e desejando, o fogo que surge desta relação é intenso e cheio de desejo. 

Durante uma despedida de solteira Kat encontra Wes num bar e quando não se há mais limites entre aluno e professor, aí sim aquela chama que foi acesa surge de forma gritante e intensa. Mas nossos queridos personagens terão que se separar brevemente após Wes ter que sair para socorrer seu amigo Max, e no dia seguinte Kat viaja para encontrar sua mãe. Ao reencontrar a mãe, Kat tem uma das muitas discussões por conta de sua escolha de vida e carreira, lembrando que a mãe odeia praticamente todas as escolhas que Kat fez. Então Kat decide abandonar tudo e voltar para sua casa, ou melhor para sua vida onde Wes já faz parte e enfim um relacionamento surge.

Mas até onde o verdadeiro amor pode ir? Realmente será capaz de superar todas dificuldades? E se vocês descobrisse que o amor da sua vida, além de tudo que te faz sentir, ainda salvou sua vida? 
Desejo Proibido é um livro narrado em 3ª pessoa com muito amor, excitação e cenas quentes entre os personagens, com pitadas de humor nos diálogos entre Wes e Kat, e uma paixão avassaladora surge quando se menos espera. Um livro rápido e que talvez faça você mudar alguns pré conceitos. Wes é encantador e totalmente dependente de Kat, mas ainda assim é um amor puro e lindo.




26 outubro 2016

[New] Eventos Literários- RJ

Vamos marcar na agenda os eventos literários e lançamentos de livros desta semana?
Todos serão no fim de semana, anotem e prestigiem!!!

27/10- Sábado
Clube do Livro Autêntica- Sonata em Punk Rock
Horário:18 hs
Local: Livraria Cultura- Cine Vitória

29/10- Sábado
Blogtubers 2ª Edição
Horário:10:00
Local:Sociedade Providência

Turnê O Garoto do Cachecol Vermelho- Ana Beatriz Brandão
Horário:15 hs
Local: Saraiva Mega Store- Shopping Rio Sul

Lançamento Poder Extra G- Thati Machado
Horário:15 hs
Local: Saraiva Mega Store- New York City Center

Coquetel 1 ano de Intergalática
Horário:15:30
Local: Livraria Leitura- Shopping Metropolitano

30/10- Domingo
Halloween Macabro DarksideBooks
Local: Evento On line

Encontro de fãs- Harry Potter e a criança amaldiçoada
Horário: 20:00
Local: Livraria Saraiva- Shopping Rio Sul


31/10- Segunda- feira
Abertura de Caixas Harry Potter e a criança amaldiçoada
Horário: 9 hs
Local:Livraria Cultura- Cine Vitória
(Evento que eu apresento!)

31/10- Segunda- feira
Halloween- Especial Harry Potter
Horário: 18 hs
Local:Livraria Cultura- Cine Vitória
(Evento que eu apresento!)

Beijos.

25 outubro 2016

[Eventos] Espetáculo "No Gogó do Paulinho"

Mais uma parceria de sucesso vem aí, agora o blog Reino Literário Br estará cobrindo os eventos do Teatro Municipal Raul Cortez. 
Peço desculpas pela demora, mas perdi as fotos no celular e estou postando com um atraso absurdo.







E no final de mais um espetáculo de humor incrível, pude tietar e entrevistar o Paulinho, ou melhor o Mauricio Manfrini, o vídeo está logo abaixo e ainda tirei uma selfie maraaaaavilhos.
Entrevista com Paulinho: 
Agradecimento especial a Magda Resende que administra o Teatro Municipal Raul Cortez.

24 outubro 2016

[Crítica Musical] ANAVITÓRIA - ANAVITÓRIA


Do talentoso e cativante amadorismo no youtube às grande plataforma de música e edições físicas, o duo ANAVITÓRIA lança seu primeiro álbum, o “pop rural” de título homônimo, criado pelo sistema de crowfunding e produzido por Tiago Iorc, que faz sua participação na faixa “TREVO”.

Com onze faixas, misturando canções já conhecidas com composições inéditas, o duo de Tocantis traz um novo ar para o cenário musical nacional com um álbum cheio de sentimentalismo, romantismo e fofura transbordante, numa atmosfera hippister e levemente bucólica, do tipo pés descalços na grama, noites de passeio a beira mar e luaus ao redor d'uma fogueira.

Com vozes bastante diferentes uma da outra e composição cheias de coração e alma, esse álbum trazem quase que a contemplação a distancia da vida de alguém que, após um término, encontrou não só o amor outra vez, mas também encontrou conforto, carinho e verdade. A primeira faixa – a primeira a ganhar vídeo -, AGORA QUERO IR, trata do término de um relacionamento do tipo “me apaguei para te fazer brilhar”, e reencontro de si mesmo. Ao passar das faixas, de um modo talvez não proposital – e talvez eu esteja forçando um pouco – vemos o nascer de uma paixão nascida de um par de OLHOS COR DE MARTE (faixa seguinte), que soa quase como uma continuação direta, seguindo para as demais, que tratam da vivencia e do crescimento de um sentimento mutuo de carinho, amor, e “um querer mais que bem querer”.

A letras possuem uma melodia poética própria e natural - as palavras são harmoniosas por si só (poesia pura!); as vozes chegam para dar alma e forma às palavras; os instrumentos trazem a vida a toda e selam lindamente união. Cada faixa tem sua própria característica sonora, hora visitando o MPB, hora trazendo elementos do lamento sertanejo, exemplo presente na regravação (que ficou lindíssima e merece ser citada) da faixa TOCANDO EM FRENTE e na faixa derradeira, “NÓS”, além de muita – muuita – influência do folk, como nas faixas TALVEZ A DEUS (que é absolutamente cativante).


Nas faixas já conhecidas, pouco foi modificado. A maior transição foi a do acústico intimista dos vídeos para o mais bem produzido e complexo do álbum de estúdio, sem perder em momento algum a essência e a musicalidade já conhecida e tão adorada. Muito violão, viola e coros de fundo dão o charme as gravações.

Duas vozes bastante diferentes combinando entre si da forma mais perfeita, combinada a letras lindamente construídas e melodias doces e cativantes fazem desse álbum um presente para nossos ouvidos e coração, principalmente se for ouvido a dois.


20 outubro 2016

[Resenha] A sorte do agora

Sinopse:
Bartholomew Neil passou todos os seus quase 40 anos morando com a mãe. Depois que ela fica doente e morre, ele não faz ideia de como viver sozinho. Wendy, sua conselheira de luto, diz que Bartholomew precisa abandonar o ninho e fazer amigos. Mas como um homem que ficou a vida toda ao lado da mãe, indo com ela à missa e à biblioteca, pode aprender a voar?

O que eu achei? 

Bartholomew Neil  é um homem beirando os 40 anos( a idade realmente não é especificada no livro), solteiro, sozinho sem amigos e que acaba de perder a mãe para um câncer no cérebro e terá que descobrir como viver sem ela.

Logo no começo temos acesso a história de vida do personagem principal que conta sua história para Richard Gere através de cartas, mas por que endereçar cartas à Richard Gere?

Após a morte de sua mãe, Bartholomew encontra em meio a gaveta de calcinhas de sua mãe uma carta recebida por Richard Gere, obviamente uma das muitas que Gere enviou durante sua tentativa de ajudar o Tibete (fato explicado no livro).

Bartholomew é católico e em meio sua dor a igreja local envia uma conselheira de luto: Wendy, daí surge uma amizade ao menos por pela parte de Bartholomew. Wendy estuda psicologia e acaba que usando métodos estudados para ajudar Bartholomew a superar o luto, logo propõe que ele busque um objetivo de vida e sugere que encontre alguém de sua idade para ir a um bar.
Somos apresentados a meninatecária, uma mulher que Bartholomew se encantou em suas idas até a biblioteca e padre McNamee, amigo pessoal de sua mãe e companheiro de sua dor.

Bartholomew é aconselhado por Wendy a fazer terapia em grupo para conseguir superar a dor da perda. Mas Wendy também passa por momentos difícieis e é questionada por Bartholomew sobre alguns roxos que surgem em seus braços, ela alega ter se machucado, até aí ok, mas depois de um tempo Wendy aparece com um roxo no olho, sem pestanejar conta para McNamee  que decide ir questionar o fato com ela.
Neste meio período o padre decide largar seus votos, alegando ter um chamado de Deus, mas o que Bartholomew não contava é que McNamee tem bipolaridade e que sua vida se tornará um vendaval de emoções.

Decidido a superar, Bartholomew decide fazer terapia de grupo com um terapeuta chamado Arnie, indicado por Wendy. Chegando na terapia de grupo conhece Max, um homem que está em luto por ter perdido sua gata Alice, a partir daí Bartholomew se questiona sobre a perda, o luto, sobre a vida.
Mas o que Bartholomew não contava é que Max é irmão da meninatecária, ou melhor Elizabeth. De repente a vida de Bartholomew leva tantas voltas e surgem tantos aspectos positivos e ele aprende com todos os aspectos negativos também.

Este foi um livro que se "arrastou" um pouco, mas que me trouxe algo de bom: achar uma coisa boa mesmo em momentos ruins. Utilizando a sorte do agora, teoria utilizada pela mãe de Bartholomew:
"Sempre que algo de ruim acontece com a gente, uma coisa boa acontece. Normalmente com outra pessoa. Essa é a sorte do agora."


18 outubro 2016

[New] Eventos Literários da Semana- RJ

Vamos marcar na agenda os eventos literários e lançamentos de livros desta semana?
Todos serão no fim de semana, anotem e prestigiem!!!

22/10- Sábado
Clube do Livro Saraiva
Horário:15 hs
Local:Saraiva MegaStore-Rio Sul

23/10- Domingo
Halloween da Travessa
Horário:14:30
Local:Livraria Travessa- Barra Shopping
(Evento que eu apresento!)

Lançamento LM Gomes - RJ
Horário:15 hs
Local: Leitura- Nova América
Lançamento Livro Doce Imperfeição

Beijos.

17 outubro 2016

[Crítica] Tô Ryca

Sinopse:
Selminha (Samantha Schmütz) é uma frentista que tem a chance de deixar seus dias de pobreza para trás ao descobrir uma herança de família. Mas para conseguir colocar a mão nessa grana, ela terá que cumprir o desafio lançado por seu tio: precisa gastar R$ 30 milhões em 30 dias, sem acumular nada e nem contar para ninguém. Mas, nessa louca maratona, ela vai acabar descobrindo que tem coisas que o dinheiro não compra.

O que eu achei?
Sabe aquele filme repleto de piadas inteligentes e uma boa critica sem que você nem sinta? É esse. To Ryca conta a história de Selminha, interpretado pela Samantha Schmütz, que é uma moça da zona norte do Rio de Janeiro que ganha uma quantia absurda por causa uma herança do seu tio, porém para recebe-la ela terá que gastar 30 milhões de reais em 30 dias, mas doações e jogos de azar só podem ser de acordo com uma porcentagem. O desenrolar da trama conta com Marcelo Adnet, Fabiana Karla e Marcus Majella no elenco, além de boas piadas e uma reviravolta fantástica de como Selminha irá gastar esse dinheiro. A trilha sonora do filme está mais eclética que minha playlist do spotify, com Shakira e Queen na mesma. Usando os pre-conceitos que a sociedade tem em relaçao as pessoas mais carentes, To Ryca mostra que devemos aprender a não julgar um livro pela capa, e muito menos uma pessoa pelas suas vestes e sobrenomes, além de criticar de uma forma divertida a politica da cidade maravilhosa e os candidatos que estão concorrendo. Além de boas risadas, o filme tenta passar como que uma amizade pode sobreviver as reviravoltas do mundo, como a ganancia pode ser algo ruim e como o dinheiro não é capaz de trazer felicidade. Com um roteiro cheio de boas criticas através de piadas sociais e demonstrando do que somos capazes de fazer quando deixamos a soberba nos dominar. Você acaba saindo do cinema com a sensação de que devemos dar mais valor as coisas que nos cercam, mas e ai? Será mesmo que 30 milhões não resolveria sua vida hoje? Pode ser que resolva, mas as consequências disso é o que pode acabar te fazendo mudar de ideia quando assistir To Ryca. O ingresso valerá muito apena, e como filme nacional, me surpreendi com a qualidade e com a trilha sonora como já mencionado. Acontece muito de não darmos valor aos nacionais, mas esse está simplesmente incrível. Tentarei ver de novo, com toda certeza.
Trailer:


14 outubro 2016

[Texto] Martha Medeiros- Faz de conta

"Não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspido,
distante, mantenho-me alheio: 
FAZ DE CONTA QUE EU TE ODEIO.

Te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, 
me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, 
sou uma atriz, sou do ramo: 
FAZ DE CONTA QUE EU TE AMO.

Estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos 
que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os 
outros fazem tudo errado: 
FAZ DE CONTA QUE EU DOU CONTA DO RECADO.

Debocho de festas e de roupas glamourosas, não entendo como é
que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados 
permanentes para baladas na área vip do inferno: 
FAZ DE CONTA QUE EU NÃO QUERO. 

Choro ao assistir o telejornal, lamento a dor dos 
outros e passo noites em claro tentando entender 
corrupções, descasos, tudo o que demonstra o quanto 
foi desperdiçado meu voto:
FAZ DE CONTA QUE EU ME IMPORTO. 

Digo que perdoo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, 
digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada,
 pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto:
 FAZ DE CONTA QUE EU NÃO SOFRO. 

 Cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em 
galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas,
 fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica
 e assisto sem legenda o mais recente filme romeno: 
FAZ DE CONTA QUE EU ENTENDO. 

Tenho todos os ingredientes para um sanduíche inesquecível, a porta 
da geladeira está lotada de imãs de tele-entrega, mantenho um bar 
razoavelmente abastecido, um pouco de sal e pimenta na despensa 
e o fogão tem oito anos mas parece zerinho: 
FAZ DE CONTA QUE EU COZINHO. 

Bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? 
Você pode ser um fantasma que atravessa paredes, 
ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, 
a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy: 
FAZ DE CONTA QUE NÃO DÓI."

13 outubro 2016

[Resenha] Tentação sem Limites


Sinopse:
A vida de Blaire Wynn não foi nada fácil. Sua irmã gêmea morreu muito cedo, seu ex-namorado e melhor amigo a traiu e ela precisou cuidar da mãe doente até o último dia de sua vida. Depois de tanto sofrimento, o que ainda seria capaz de machucá-la? O terrível segredo de Rush Finlay. Depois de se apaixonar perdidamente por ele, Blaire descobriu algo cruel que destruiu para sempre o mundo que conhecia. Agora ela está mais sozinha do que nunca e precisa recomeçar a vida longe de todos que a feriram. O único problema é que não consegue deixar de amá-lo. Rush Finlay também não sabe o que fazer. Apesar das tentativas dos amigos e da família para animá-lo, o rapaz segue desolado. Ele já não quer saber da vida que levava, regada a festas, bebidas e mulheres. É atormentado pelas lembranças de um sentimento que jamais imaginara que fosse conhecer e que não pôde ser vivido plenamente. Nem Rush nem Blaire imaginavam que seus universos pudessem se transformar de forma tão radical. Porém, a maior reviravolta das suas vidas ainda está por vir. E ela será tão intensa que obrigará Blaire a engolir o orgulho, voltar a Rosemary, na Flórida, e enfrentar seus inimigos. Rush por sua vez, terá que lutar para consertar seus erros e se provar digno da confiança e do amor dela. 
O que eu achei?
Depois daquele final de Paixão sem Limites corri e me joguei na leitura de Tentação sem Limites e posso dizer que o livro segue a mesma vibe clichê do final do último, só que é um clichê gostoso, aquecedor de coração e te faz devorar a história muito rápido, sedento para saber o que vai acontecer nas próximas páginas.
Este livro, diferente do primeiro é contado não só pelo ponto de vista de Blaire, mas também pelo de Rush, o que o torna muito mais equilibrado e dinâmico, pois o tempo todo sabemos o que estão fazendo e pensando, tendo assim uma visão muito melhor da história.
Blaire está de volta ao Alabama, porém seu coração ficou em Rosemary Beach, e apesar de sua mãe e irmã gêmea estarem enterradas ali no Sul, ela sente que não é mais a sua casa e precisa encontrar seu lugar no mundo, e quando sua amiga Beth vai visita-la e tentar leva-la de volta a Rosemary, ela até exita um pouco, mas como o emprego que ela tem lá paga muito bem e poderia dividir o apartamento com Beth, ela decide voltar, nem que seja por pouco tempo, enquanto decide para onde vai e o que fazer da sua vida.
Ao saber da sua volta Rush, que até então estava completamente desolado, vê ali sua chance de provar que pode ser sim o homem que Blaire merece, para isso vai intimar Nan a trata-la bem e tentar mostrar que Blaire pode vir na frente de sua família problemática.
Mas óbvio que não seria tão simples assim, por mais que se amem Blaire não consegue esconder o segredo que Rush escondeu dela, e que a envolvia diretamente, sem contar que para ficarem juntos ela teria que lidar com a diferença drástica entre os seus mundos e o ódio que a família dele tem por ela, e ela não quer ter de enfrentar isso, ainda mais agora...
Um livro sobre família, aceitação e amor, onde a família pode ser o maior problema, a aceitação não será fácil, e o amor pode não bastar para enfrentar tudo.

11 outubro 2016

[Crítica] No Fim do Túnel

Ação, sangue e polícia. O cinema espanhol nunca me surpreendeu tanto. 

Sinopse: 
Joaquín (Leonardo Sbaraglia) é cadeirante e cansou de viver solitário em sua velha e escura casa. Por isso, decidiu alugar um de seus quartos para a stripper Berta (Clara Lago) e sua filha, Betty. A presença das duas alegra a casa e a vida de Joaquín. Mas o que ele não imagina é que, malandramente, tudo não passa de uma estratégia da moça e de seu namorado, o criminoso Galereto (Pablo Echarri), para criar um túnel por baixo da casa e roubar um banco da região.

O que eu achei?
Admito que foi um filme que não me atraiu muito, até os primeiros minutos. A fotografia é linda, te provoca querer saber mais da história de Joaquín com sua família, antes de ficar sozinho. Porém, depois que você se sente envolvido pela trama principal... Você não quer saber de outra coisa. 

Os personagens são muito bem desenvolvidos, a não ser pelo fato de que a história de Joaquín antes do filme não ser explicada. Clara Lego é uma atriz fantástica, e acho que merece um destaque muito grande quando se fala deste filme. Ela te encanta e toma as decisões mais inteligentes em meio a tanta coisa acontecendo. 

O enredo faz jus ao que se define: Suspense e policial. O crime que envolve a história é inteligente, cruel e não poderia haver falhas, se não fosse pelo nosso herói. Além deste, temos um pano de fundo que me chamou muito a atenção e que me fez querer a pior morte para um personagem em específico: Abuso sexual. O tema é abordado de forma crucial e que você nem imagina que seja colocado no meio da trama. 

Se você curte muito filmes que envolvam esse tipo de questionamento, e traz um dos melhores enredos policiais, deve ir aos cinemas e conferir essa obra espanhola sem igual. A partir do momento que começar, não vai querer largar os olhos da telona. 

'No Fim do Túnel' estreia no dia 6 de outubro! Confira o trailer: