30 junho 2016

[Quotes] Como eu era antes de você

Hoje decidi colocar alguns dos meus quotes favoritos do livro Como Eu era antes de você, espero que se emocione tanto quanto eu.
"Às vezes, Clark, você é a única coisa que me dá vontade de levantar da cama."

Will

"Então, meu coração se partiu. Meu rosto se contorceu, perdi o controle, apertei-o com força e não me importei que ele sentisse meu corpo estremecer com soluços. Aquilo me sobrecarregou, partiu meu coração, meu estômago, minha cabeça, me invadiu e não pude aguentar. Achei que, sinceramente, não aguentaria.” 

Lou

"É isso. Você está marcada no meu coração, Clark. Desde o dia em que chegou, com suas roupas ridículas, suas piadas ruins, e total incapacidade de disfarçar o que sente.” 

Will
"Não pense muito em mim.
Não quero que você fique toda sentimental. Apenas viva bem.
Apensa viva...
 "

Will

"É isso. Você está marcada no meu coração, Clark. Desde o dia em que chegou, com suas roupas ridículas, suas piadas ruins e sua total incapacidade de disfarçar o que sente. Você mudou a minha vida muito mais do que esse dinheiro vai mudar a sua."

Will

"- Então vou dizer uma coisa boa - anunciou ele, e esperou, como se quisesse ter certeza de que tinha minha atenção. - Alguns erros... apenas são consequências maiores que outros. Mas você não precisa deixar que aquela noite seja aquilo que define quem você é."
Will

Deixe- nos um comentário.
Sua opinião é muito importante para nós.


29 junho 2016

[Carta de Amor] Ian para Sofia: Livro Perdida

A Carta a seguir foi retirada do livro Perdida, ela se encontra na página 326, ou seja contém spoiler, mas se assim como eu você já leu o livro e quer reler um dos pedaços mais emocionantes do livro, agora pode fazer isso quantas vezes quiser.

Sofia,
Escrevo esta carta na esperança de que algum dia ela possa chegar as suas mãos Uma década se passou desde que você apareceu em minha vida. Acreditará se eu lhe assegurar que para mim nada mudou durante este tempo todo? Que não perdi a esperança de que um dia volte? Que ainda sinto seu perfume em minhas lembranças? Que nossa ultima conversa gira em minha cabeça como se tivesse acontecido ainda ontem?
Perdoe-me meu amor por não ter sido capaz de prendê-la aqui. Perdoe-me por não ter sido rápido o bastante. Tudo seria diferente se eu tivesse sido capaz de impedir que fosse levada para tão longe. Contudo eu não lamento nada. Os poucos dias em que passei ao seu lado foram os mais preciosos da minha existência. Então, agradeço todas as noites por tê-la em minha vida, mesmo que por tão pouco tempo. São as lembranças desses poucos dias que me mantém respirando.
Desejo fervorosamente que esteja feliz, onde quer que você esteja agora.
Não posso suportar, sequer pensar que você não tenha tido uma vida feliz como merece.
Estou tentando encontrá-la, tenho falado com alguns estudiosos sobre o assunto, mas ainda não obtive nada satisfatório. Talvez acabe encontrando uma solução em breve, algumas coisas evoluíram por aqui. Talvez eu possa ir buscála.
Nunca desisti de encontrá-la. Por isso, não sou capaz de lhe dizer adeus.
Pois sei que ainda nos veremos outra vez. E se, por sorte, algum dia puder ler estas linhas, não te esqueças que a amei desde o primeiro instante e a amarei até o ultimo. Talvez até depois.

Vemo-nos em breve, 
Eternamente seu I.C

28 junho 2016

[Resenha] Sedução da Seda

Sinopse:
Talentosa e ambiciosa, a modista Marcelline Noirot é a mais velha das três irmãs proprietárias de um refinado ateliê londrino. E só mesmo seu requinte impecável pode salvar a dama mais malvestida da cidade: lady Clara Fairfax, futura noiva do duque de Clevedon.
Tornar-se a modista de lady Clara significa prestígio instantâneo. Mas, para alcançar esse objetivo, Marcelline primeiro deve convencer o próprio Clevedon, um homem cuja fama de imoralidade é quase tão grande quanto sua fortuna.
O duque se considera um especialista na arte da sedução, mas madame Noirot também tem suas cartas na manga e não hesitará em usá-las. Contudo, o que se inicia como um flerte por interesse pode se tornar uma paixão ardente. E Londres talvez seja pequena demais para conter essas chamas.
Primeiro livro da série As Modistas, Sedução da seda é como um vestido minuciosamente desenhado por Loretta Chase: de cores suaves e românticas em alguns trechos, mas adornado com os detalhes perfeitos para seduzir.


O que eu achei?
Quem me conhece sabe que sempre fui meio muito chata com livros de época. Não sei explicar o motivo, mas sempre tive um pé atrás. Decidi pedi em parceria com a Editora Arqueiro e este livro simplesmente me surpreendeu.
O livro conta a história da família Noir, uma mãe que achava que ia se dar bem na vida ao casar com alguém que tinha posses, um pai que achava que resolveria os problemas de sua família financeiro ao se casar; concluindo ambos eram "pé- rapados". Conforme o tempo passava Sr e Sra Noirot tiveram três filhas  e continuaram a fazer pequenas bandalhas para sobreviver.
Passado alguns anos, somos apresentados a filha mais velha dos Noir: Marcelline, modista estudada e influente em seu meio, utiliza de seus atributos físicos para seduzir e obter tudo o que deseja.
Paralelo a isso somos apresentados a Clara, uma menina que sempre soube que casaria com Clevadon, dada aos luxos e nunca soube o que era passar dificuldades, passa a sua vida aguardando o pedido de casamento Clevadon. Enquanto isso Clevadon está na Europa a três anos farreando e descobrindo o mundo antes do casório, ele é encantador, bonito e perfeito para Clara.
O que ele não contava era que sua vida ia sofrer uma reviravolta ao conhecer Marcelline. Mas Marcelline só tinha um objetivo: seduzir o duque para pode vestir sua futura esposa Clara. Então Marcelline com o maior encanto de todos fez com que durante uma ópera, todos presentes virassem suas cabeças para contemplar seu charme e beleza, sempre com um único alvo em mente: o duque.

Após esta primeira impressão o duque fica totalmente encantado e fascinado por Marcelline. Então tem uma tórrida noite de bebidas e jogos com Marcelline, que mais do que rapidamente corre dos encantos do duque que incrivelmente num único toque balançou todo o seu ser.
Durante 2 dias Cleveland só pensa em Marcelline e pensa que tem que  tê-la pra si, afinal nunca ninguém  o a havia rejeitado. Posteriormente o duque propõe uma aposta de leva la a um baile super requisitado e a dar um beijo caso ele perdesse uma partida de cartas. Mas nos finalmente Marcelline o ganha e pensando sempre a frente topa ir com ele ao baile, quando estão retornando para o hotel há uma paixão, uma inquietação  e de repente nada no mundo faz sentido, a não ser os 2.
Marcelline sobressaltada com o q ocorrera, decide ir embora no mesmo momento, só que não contava que duque seguia seus passos e embarcaria com ela neste navio.
Ao retornar para Londres cada um deverá voltar pra sua vida, Marceline para suas irmãs e filha e Cleveland para seu castelo sozinho. Decididamente Clevadon decide pedir Clara em casamento, tentando assim fugir de seus sentimentos por Marcelline. Mas como Marcelline previra já havia fofoca a respeito dos 2 que foram vistos publicamente em Paris.
Certo dia Clevadon vai até o  ateliê de Marcelline e eles acabam transando, no que por motivos não óbvios sua casa e ateliê pegam fogo e Cleveland decide levar Marcelline e toda sua família para seu castelo. Mas obviamente numa sociedade tão conservadora, logo tudo vai virar do avesso. 
Afinal será a atracão e o tesão suficientes para fazer com que ambos larguem tudo e fiquem juntos?
Então vocês terão que descobrir sozinhos. Acreditem é uma história incrivelmente bem escrita, assim como tem personagens fortes e com opiniões próprias. A escrita de Loretta alterna entre 1ª pessoa de Cleveland, Marcelline e em 3ª pessoa, mas em nada dificulta a leitura, pelo contrário é incrivelmente hábil e que não te permite abandonar a leitura até terminar.

Espero que tenham gostado da resenha.
Deixe- nos um comentário.



26 junho 2016

[Crítica] Procurando Dory

    Este filme foi feito para os mais velhos, sim caro amiguinho, afirmo que alguém como eu na faixa dos 30 irá ao cinema sim e se reclamar ainda vai falar em baleiês. Sabe por que? Pois nós amamos o Nemo e cia... sem mais, vamos ao que de fato achei deste filme saudosista.

    Procurando Dory começa contando a história de vida de Dory, desde quando ela era bem bebezinha(apenas foquem no gif abaixo, que fofinha!). Papai e mamãe Dory ensinam Dory a explicar as pessoas que tem perda de memória recente. Durante uma brincadeira Dory se perde dos pais e passam- se tempos e tempos até encontrarmos Nemo.
    A partir daí somos apresentados aos lapsos de memória que Dory tem de quando era bem pequenina, de repente Dory lembra que tem pais e que deve procurá- los, deixando o pai de Nemo desesperado por achar que Dory irá se perder. Dory continua levando sua vidinha no fundo do mar com Nemo e seus amigos, mas novas memórias começam a surgir e enfim convence Nemo e seu pai de irem em busca de seus pais. Com a ajuda de sua amiga tartaruga(presente em Procurando Nemo), a comitiva é levada a atravessar os oceanos, já que Dory tem uma memória exata de onde estariam seus pais.
    Ao ultrapassar os oceanos Dory é capturada por humanos e levada a um instituto marítimo que "salva" os peixinhos e outros animais marítimos. Dory conhece Hank um polvo bastante falante e que sonha em sair do instituto e que faz a proposta de trocar com de lugar com DOry, já que a mesma recebeu uma etiqueta para poder sair do instituo, enquanto Hank não pôde sair nunca. Mas o que Hank não poderia contar é que ele se encantaria com Dory e que essa amizade em tão pouco tempo se tornou tão importante para ele, logo Hank começa a repensar sua saída ou não do instituto.
    Enquanto isso, Nemo e seu pai continuam em busca de Dory e conseguem entrar no instituto com ajuda de 2 leões marinhos muito atrapalhados e divertidos. A busca de Dory por seus pais e de Nemo por Dory se torna linda e emocionante, intercalando momentos engraçados e intensos. Poderia escrever e escrever eternamente sobre Dory, mas não quero acabar com a surpresa de vocês irem ao cinema e conferirem.
    Então vão ao cinema e entendam que nunca seremos velho o bastante para se apaixonar por Dory e sua turma.


Trailer:

Espero que tenham gostado da crítica.
Deixe- nos um comentário.


24 junho 2016

[Resenha] Uma Curva no Tempo

Eu já tinha lido e ouvido muitas críticas positivas a respeito do livro, e por n motivos ainda não o tinha lido, após ganhar o livro A História de Nós Dois num evento da Editora Arqueiro, enfim decidi ler o primeiro romance do autor lançado no Brasil. Sem mais blá blá, vamos a resenha.
Sinopse:
A noite do acidente mudou tudo... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel está desmoronando. Ela mora sozinha em Londres, num apartamento minúsculo, tem um emprego sem nenhuma perspectiva e vive culpada pela morte de seu melhor amigo. Ela daria tudo para voltar no tempo. Mas a vida não funciona assim... Ou funciona?

A noite do acidente foi uma grande sorte... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel é perfeita. Ela tem um noivo maravilhoso, pai e amigos adoráveis e a carreira com que sempre sonhou. Mas por que será que ela não consegue afastar as lembranças de uma vida muito diferente?


O que eu achei?

O livro conta a história de Rachel, uma jovem que acabara de concluir o colegial, cheia de sonhos e incertezas para o futuro. O que Rachel não imaginava o que o destino lhe traria.
Durante a despedida da turma do colégio com seus melhores amigos, Rachel presencia um acidente e ao acordar descobre que seu melhor amigo Jimmy, faleceu ao salvá- la.
Em meio a tanto sofrimento e dor Rachel decide se isolar e mudar de cidade. Constrói sua vida bem longe de tudo e todos que conhecia, deixando para trás pai, amigos e tudo que pudesse remeter a o episódio mais traumático de sua vida.
Há uma passagem de tempo e lugar e Rachel está com seu anel de noivado e indo ao casamento de sua melhor amiga,durante o trajeto Rachel pressente um perigo iminente no ar e cisma com um homem dentro do trem. Depois que Rachel sai do trem descobre que o homem seguira e que pretende fazer algo, então é assaltada e roubam seu anel de noivado; ela leva uma pancada forte na cabeça e acorda alguns dias depois.
Quando Rachel volta a si descobre que nada na sua vida faz sentido. Esta nova vida tem seu amigo Jimmy vivo e um amor do passado de volta como seu noivo. Obviamente sua vida se torna um caos, então. Rachel terá que se descobrir e principalmente aceitar sua vida, seus amigos e seu noivo.
Rachel acredita que esta é uma vida falsa e que todos estão loucos, e claramente todos começam a estranhar e percebem que teve uma amnésia depois do incidente. Rachel se vê em luto constante por um amigo vivo, achando que deveria amar seu noivo, mas como seria possível se ela não se lembrava do seu relacionamento com Math e muio menos sentia que amava?
A partir daí Rachel descobre como era essa "nova Rachel", onde trabalhava, seus gostos, mas principalmente descobre uma forma de viver esta vida que não lembrava ter vivido.
O livro tem muitas idas e vindas entre as duas vidas de Rachel. Mas certamente o autor teve um dom ao preencher todas suas lacunas mentais e retratar perfeitamente os relacionamentos na vida de Rachel, inclusive resolvendo o triângulo amoroso entre Math- Rachel- Jimmy.
É certamente um livro fofo, mas não me encantou como achei que encantaria, os personagens não me surpreenderam e nem me chamaram tanto a atenção. Mas mesmo com esta falta de envolvimento, tenho que admitir o talento de Atkins na escrita.



23 junho 2016

[Texto] Querido John

O que significa amar verdadeiramente uma pessoa?
Houve um tempo em que eu achava saber a resposta: significa que eu iria pensar nela mais do que em mim mesmo, e passaríamos o resto de nossas vidas juntos. Não seria difícil. Ela me disse certa vez que a chave para a felicidade é ter sonhos realizáveis, e os dela não eram nada fora do comum. Casamento, família… o básico. Isso significa que eu teria um emprego etável, uma casa com cerca branca e uma minivan ou SUV grande o suficiente para levar nossos filhos à escola, ao dentista, ao treino de futebol ou recitais de piano. Dois ou três filhos - ela nunca foi clara, mas meu palpite é que quando chegasse a hora, ela deixaria a natureza seguir seu curso e Deus tomar a decisão. Ela era assim - religiosa, quero dizer - e suponho que esse tenha sido um dos motivos pelos quais me apaixoneipor ela. Independentemente do que acontecesse em nossas vidas, eu me imaginava ao fim do dia deitado na cama ao lado dela, nós dois abraçados enquanto conversávamos e ríamos, perdidos nos braços um do outro. 

22 junho 2016

[Crítica] Independence Day – O Ressurgimento:

Sinopse:
Nós sempre soubemos que eles voltariam. Depois de Independence Day redefinir o gênero de filmes de desastres, o próximo épico capítulo leva a uma catástrofe global em escala inimaginável. Usando a tecnologia alienígena recuperada, as nações da Terra têm colaborado em um programa de defesa imenso para proteger o planeta. Mas nada pode nos preparar para a força avançada e sem precedentes dos alienígenas. Somente a ingenuidade de alguns valentes homens e mulheres pode trazer nosso mundo de volta da beira da extinção.

O que eu achei:

O filme começa 20 anos depois do primeiro filme “Independence Day”, depois dos ataques extraterrestres de 1996 a humanidade está unida, não existem mais conflitos e foi criada uma organização para cuidar dos assuntos intergalácticos. Tudo ia muito bem, o que ninguém suspeitava é que antes de serem destruídos nossos inimigos extraterrestes enviaram um alerta de socorro, e o reforço demorou vinte anos para chegar.
Vamos acompanhar 3 vertentes do filme, o que nos permite estar por dentro de todos os passos e decisões da guerra, o lado dos soldados, dos cientistas e a parte presidencial (que inclui a atual presidente, o antigo, mais seus conselheiros), cada uma delas tem seus conflitos internos fora a guerra e o filme acaba se tornando muito mais do que só mais um filme de ação com muitas explosões e nada a acrescentar.
Os cientistas descobrem que na verdade os alienígenas inimigos já roubaram núcleos de vários planetas e é disso que se baseia sua tecnologia, e tudo já está pronto para que eles “peguem” o nosso núcleo e por consequência acaba com a vida na Terra. Assim começam eletrizantes cenas de ação que vão desde soldados tentando matar a líder deles, cientistas tentando de too jeito obter informações e comandantes tomando decisões muito difíceis.
O filme é classificado como ficção cientifica militar, mas tem nuances de romance, e inúmeras cenas divertidíssimas, além de ser cheios de referências e piadas sobre o primeiro filme, que com certeza agradará aos fãs que esperaram duas décadas por mais um filme. A fotografia do filme é linda, as cenas fora da terra, dos extraterrestres, e das novas tecnologias são super bem feitas e nos fazem embarcar completamente neste universo.

Além do filme ser maravilhoso, a sala de cinema contribuiu muito para a experiência. A cabine de imprensa aconteceu na abertura da sala UCI XPlus no shopping New York City Center, a segunda sala do Rio e nona do Brasil, ela é equipada com projetor de definição 4k que é quatro vezes maior que a definição comum, e oferece muito mais realismo a imagem, além de quase 100m² e exibição 3D de última geração.  Mas o grande diferencial da sala XPlus é a tecnologia Dolby Atmos, com ele o som vem de todas as direções, inclusive do teto, para preencher a sala com riqueza de detalhes e profundidade impressionantes, o sistema cria a ilusão de um campo de som infinito ao redor da pessoa causando uma experiência inesquecível de total imersão no filme.

Trailer:
O filme entra em cartaz nessa quinta (23) e é a dica para o final de semana! Não deixem de assistir e nos contar nos comentários o que acharam!

21 junho 2016

[Crítica Musical] GUELÃ - Maria Gadú

Maria Gadú em seu novo álbum, GUELÃ (2015), entra em estado psicodélico-tropicalista, meio pop rock, meio experimental, distorcendo acordes de guitarra e a própria voz em 10 faixas inéditas, sendo nove compostas por ela e uma (a faixa TROVOA), que é de Maurício Pereira, de 2007.

Desde 2011 sem lançar nada essencialmente inédito por parte própria (após o albúm MAIS UMA PÁGINA), aparecendo com participações em álbuns alheios, e montando sua própria compilação de participações (NÓS – 2013), Gadú chega com tudo em 2015.

Inovador, GUELÃ começou a ser entregue aos fãs via rede social, onde, a cada avanço, uma parte de foto da capa era liberada pelo Instagram, e, quanto mais alto a porcentagem de conclusão, mais ansiosos os fãs ficavam – incluindo este que vos resenha. Ao fim, todas as pequenas fotos montaram a capa do álbum em questão.

Gadú se desconcerta de sua música, fugindo da zona de conforto musical atual e da “música para as massas” e explorando sons, sonoridades, ruídos, barulhos, batuques e tudo o mais. É possível ver, claramente, como a sonoridade nos remete às guitarras distorcidas de Los Hermanos – uma boa comparação, não uma crítica.

Explorando novas formas musicais, Gadú se apresenta mais poética e lírica em suas letras, quase como se, em algumas faixas, simplesmente recitasse suas próprias palavras, feito um mantra – foco para faixa SAKUDÉ, onde Gadú simplesmente vocaliza, e não pronuncia uma única palavra. Cantando também não é a mesma; as novas músicas apresentam um tempo diferente, melodia e tons novos, completamente diferente de todos os seus trabalhos anteriores. Ela está completamente renovada e, ouso falar, em sua melhor forma.

No geral, entre silêncios vocais e grandes presenças instrumentais, a poesia sonora fala mais alto que a voz da cantora. Para os acostumados à Maria Gadú dos álbuns anteriores, será preciso adaptar-se à nova sonoridade da cantora.

Apenas digo: “feche os olhos, mas deixe sua mente bem aberta!”. 

FAIXAS:

01. Suspiro
02. Obloco
03. Ela
04. Semi-voz
05. Trovoa
06. Sakédu
07. Tecnopapiro
08. Há
09. Vaga
10. Aquária
 

20 junho 2016

[Lançamentos] Editora Intrínseca- Junho

Editora Intrínseca neste mês de junho esta recheada de novidades, são diversos livros pra todos os gostos e estilos.

          
No reino do geloNo final do século XIX, o mundo era bem diferente de como o conhecemos hoje. Os Estados Unidos eram um jovem país em acelerado crescimento após a Guerra Civil, invenções tecnológicas apareciam a todo momento e muitas partes do globo ainda continuavam completamente inexploradas. Entre elas estava o Polo Norte.
George Washington De Long, jovem tenente da Marinha americana, ficou obcecado pelo Ártico após retornar de uma viagem de resgate na costa da Groenlândia. Inspirado pela teoria amplamente difundida (embora pouco fundamentada) de que haveria águas quentes e navegáveis no topo do planeta, permitindo talvez a existência de terras e até mesmo civilizações perdidas, De Long traça um plano minucioso para alcançar esse local desconhecido. No mesmo período, James Gordon Bennett Jr., o rico e excêntrico proprietário do New York Herald, em busca de uma história que gere comoção nos leitores, decide patrocinar a expedição de De Long. Com a ajuda financeira do magnata, o navegador encontra e reforma o navio perfeito para a aventura e tem acesso aos mais variados equipamentos, a cartas de navegação e a círculos políticos, conseguindo todo o apoio necessário para a jornada.

A ditadura acabadaA ditadura acabada (Coleção Ditadura #5)

 mais aclamada obra sobre o regime militar no Brasil chega à conclusão com o livro A ditadura acabada. No quinto volume da Coleção Ditadura, o jornalista Elio Gaspari examina com riqueza de detalhes o período de 1978 a 1985, desde o final do governo do presidente Ernesto Geisel e a posse de seu sucessor, o general João Baptista Figueiredo, até a eleição de Tancredo Neves pelo Colégio Eleitoral. São os anos da abertura política, momento decisivo na história de nosso país e repleto de acontecimentos, como o fim do AI-5, as manifestações políticas pela anistia e pela volta das eleições diretas para a presidência, os atentados promovidos por aqueles que se opunham à redemocratização, como o episódio da bomba no Riocentro em 1981, e uma crise econômica sem precedentes.
Com uma narrativa fluida e pesquisa profunda, Elio Gaspari compõe um painel fascinante de um país em plena ebulição, em que muitos dos protagonistas se mantêm como parte do noticiário atual. No epílogo, denominado “500 vidas”, o autor acompanha o destino de quinhentos personagens que sobreviveram ao fim da ditadura, entre militares e militantes, empresários e sindicalistas, torturados e torturadores. Alguns desses sobreviventes chegaram à presidência da República, como a presa política Dilma Rousseff, o metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva e o professor Fernando Henrique Cardoso. É uma conclusão impactante para uma obra fundamental sobre a história recente do Brasil.
A ditadura acabada estará disponível em duas versões de e-book, uma delas com áudios e vídeos acrescentados pelo autor, ambas contendo mais de trinta documentos históricos.

Welcome to Night ValeWelcome to Night Vale

O podcast Welcome to Night Vale conta as histórias da cidade de Night Vale, uma amistosa comunidade no meio do deserto onde todas as teorias da conspiração são reais. No formato de um programa de rádio, Cecil Palmer, locutor da rádio comunitária, informa a todos as pequenas estranhezas dessa pacata cidadezinha — onde fantasmas, anjos, alienígenas e agências governamentais misteriosas e ameaçadoras fazem parte do cotidiano dos cidadãos. Desta vez, a chegada de um homem de paletó bege faz com que as vidas de duas mulheres, cada uma com seu mistério, virem de cabeça para baixo.
Como todos em Night Vale, a proprietária da loja de penhores, Jeckie Fierro, gosta de sua rotina. Por isso, quando um homem de paletó bege aparece na loja e interrompe a imutável rotina da jovem, ela fica sem chão. Ele lhe entrega um papel com duas palavras escritas à mão: KING CITY. Tudo naquele homem a deixa nervosa, especialmente o papel, do qual Jackie não consegue se livrar.
Diane Crayton tem um filho de quinze anos. Josh é um adolescente normal: de humor e forma inconstantes. Ele às vezes é humano, mas em certas ocasiões prefere parecer um abajur ou ter asas e tentáculos. Josh está cada vez mais curioso sobre o pai que nunca conheceu, o que deixa Diane transtornada, pois Troy, pai do menino, começa a aparecer em todos os lugares onde ela está (e com a mesma aparência de quando deixou a cidade e se mudou para King City, anos atrás). É um desastre iminente.
As duas mulheres vão se unir na busca por respostas, assombradas por aquelas palavras que parecem ser a solução de tudo: KING CITY, a chave para todos os segredos, que, tomara, trancará o passado e abrirá as portas do futuro. Isso se elas conseguirem achá-la. 
Caros ouvintes, bem-vindos a Night Vale.

A outra históriaA outra história

Ágil, repleto de camadas e belamente escrito, A outra história é uma reflexão sobre identidade, o processo de ser escritor e a glória e o preço da fama, um retrato de como as decisões de antigas gerações ecoam no presente e moldam o futuro.
Aos vinte e quatro anos, Nicolas Duhamel se depara com um segredo de família perturbador mantido a sete chaves por muitos anos. Perplexo, embarca para São Petersburgo em uma jornada em busca da verdade. Porém, as respostas não surgirão tão facilmente. 
Os mistérios de sua origem familiar o levam a escrever seu primeiro romance, O envelope, e a assiná-lo como Nicolas Kolt. Após três anos do inesperado e estrondoso sucesso mundial do livro, Nicolas é um escritor vaidoso, com muitos fãs, um autor obcecado pela fama e pelas redes sociais a ponto de deixar de lado a família e os amigos.
Tanta aclamação, no entanto, tem seu preço, e todos perguntam sobre o novo livro. Mas Nicolas não é capaz de escrever sequer uma linha e não suporta mais mentir. Desejando se afastar de tudo para encontrar uma nova inspiração, ele viaja para a Itália com sua namorada Malvina e se hospeda em um luxuoso hotel na costa da Toscana. Durante o fim de semana em que espera paz e tranquilidade para compor a outra história, Nicolas Kolt se vê diante de perigos e segredos que podem colocar seu futuro em jogo.

F de falcãoF de falcão

Aclamado best-seller do The New York Times, F de Falcão é uma autobiografia nada usual sobre superação e autodesenvolvimento. A autora, Helen Macdonald, conta sua história a partir do momento em que viaja até a Escócia para comprar um falcão. A depressão que lhe acometera após a morte do pai criara um abismo entre ela e as demais pessoas e nada mais fazia sentido em sua vida. Porém, ao praticar a falcoaria com Mabel, sua nova ave de rapina, e ler os diários de T. H. White, clássico autor da literatura inglesa, Helen começa a entender que o luto é um estado que não pode ser evitado, mas que pode ser superado — inclusive com a ajuda de um inusitado açor.
Muito mais do que explicar como domesticar ou caçar com falcões, a prosa magnética de F de falcão narra a angustiante história de uma mulher que se sente infeliz e sem rumo. Uma mulher que, na ânsia por superar a melancolia, encontra ao lado de um dos mais ferozes animais o caminho para expulsar os próprios demônios. 

Gentil como a gente

Gentil como a genteFernanda Gentil é repórter esportiva e uma das apresentadoras mais queridas da tevê. Conquistou milhares de fãs na cobertura da Copa do Mundo de 2014, da qual foi eleita musa. No vídeo, é uma profissional competente e divertida. De perto, é igualmente engraçada. Nas páginas de Gentil como a gente, transforma suas experiências pessoais num relato adorável.
A protagonista é a Mocinha. Não é que a Mocinha seja neurótica — ela apenas pensa em todas as possibilidades. O par romântico: o Momô. Não é que o Momô seja avoado — ele só é do tipo que vai jogar tênis e esquece a raquete. Tem também a Nala, que a Mocinha não gosta que chamem de cachorra. Tem o Lucas, o afilhado que é como um filho. E os 300, a gangue de amigos, quer dizer, o grupo de amigos. Essa turma, que no rolar dos capítulos vai ganhar mais um integrante, se esbarra em um apertamento, onde a sala é um pouco da cozinha e um tico da varanda.
Com leveza e humor, Fernanda Gentil conta uma história de amores vivida por uma família singular e ao mesmo tempo igual a todas as outras. Fernanda briga e, com a frequência de eclipses lunares, pede desculpas. Quando quer, sabe ser fofa. E mostra ser craque em entender as diferenças entre masculino e feminino. Ela mata no peito, sai de impedimento, bota para escanteio e bate um bolão. Porque o que Fernanda mais quer é fazer e ser feliz. Sem firulas. Gentil. Como a gente.

Lugar nenhumLugar nenhum

Publicado pela primeira vez em 1997, a partir do roteiro para uma série de TV, o sombrio e hipnótico Lugar Nenhum, primeiro romance de Neil Gaiman, anunciou a chegada de um grande nome da literatura contemporânea e se tornou um marco da fantasia urbana. Ao longo dos anos, diferentes versões foram publicadas nos Estados Unidos e na Inglaterra, e Neil Gaiman elaborou, a partir desse material, um texto que viesse a ser definitivo: esta edição preferida do autor.
Em Lugar Nenhum, Richard Mayhew é um homem simples de coração bom que tem a vida transformada quando ajuda uma jovem que encontra ferida numa calçada. De um dia para o outro, Richard se torna invisível na Londres que sempre conheceu: não tem mais trabalho, não tem mais noiva, não tem mais casa. Para recuperar sua vida, ele se embrenha em um mundo que nunca sonhou existir, uma cidade que se abre nos esgotos e nos túneis subterrâneos: a chamada Londres de Baixo, em que personagens únicos e cenários mirabolantes fazem a Londres de Cima parecer uma mera paisagem cinza.

Loney

LoneyQuando os restos mortais de uma criança são descobertos durante uma tempestade de inverno numa extensão da sombria costa da Inglaterra conhecida como Loney, Smith é obrigado a confrontar acontecimentos terríveis e misteriosos ocorridos quarenta anos antes, quando ainda era criança e visitou o lugar.
À época, a mãe de Smith arrastou a família para aquela região numa peregrinação de Páscoa com o padre Bernard, cujo antecessor, Wilfred, morrera pouco tempo antes. Cabia ao jovem sacerdote liderar a comunidade até um antigo santuário, onde a obstinada sra. Smith crê que irá encontrar a cura para o filho mais velho, um garoto mudo e com problemas de aprendizagem. 
O grupo se instala na Moorings, uma casa fria e antiga, repleta de segredos. O clima é hostil, os moradores do lugar, ameaçadores, e uma aura de mistério cerca os desconhecidos ocupantes de Coldbarrow, uma faixa de terra pouco acessível, diariamente alagada na alta da maré. A vida dos irmãos acaba se entrelaçando à dos excêntricos vizinhos com intensidade e complexidade tão imperativas quanto a fé que os levou ao Loney, e o que acontece a partir daí se torna um fardo que Smith carrega pelo resto da vida, a verdade que ele vai sustentar a qualquer preço.
Com personagens ricos e idiossincráticos, um cenário sombrio e a sensação de ameaça constante, Loney é uma leitura perturbadora e impossível de largar, que conquistou crítica e público. Uma história de suspense e horror gótico, ricamente inspirada na criação católica do autor, no folclore e na agressiva paisagem do noroeste inglês. 

LiderançaLiderança

O que é necessário para levar uma equipe ao máximo sucesso e mantê-la no topo por um bom tempo? Sir Alex Ferguson é um dos poucos líderes que sabem de fato a resposta a essa pergunta. Nos 38 anos em que atuou como técnico de futebol, ele alcançou a impressionante marca de 49 troféus e fez do Manchester United uma das maiores marcas do mundo. Nesse livro franco e inspirador, ele revela os segredos por trás de sua carreira repleta de recordes.
Liderança é organizado em função das habilidades mais valorizadas por Sir Alex e inclui temas que logo associamos ao seu estilo como treinador: disciplina, controle, trabalho de equipe e motivação. Também aborda assuntos não tão óbvios, mas nem por isso menos relevantes para se alcançar o sucesso: como delegar, lidar com o fracasso e a análise de dados.
Escrito com a colaboração do investidor Sir Michael Moritz, amigo de longa data de Sir Alex e presidente da Sequoia Capital, firma de investimentos que apoia jovens empreendedores responsáveis por companhias que valem quase 1,5 trilhão de dólares, Liderança é marcado por muitos insights, sabedoria, humor e sinceridade. As histórias inevitavelmente giram em torno do futebol, e do sucesso fenomenal de Sir Alex, mas as lições podem beneficiar a todos. Não importa se você administra uma empresa, dá aulas ou trabalha numa pequena equipe, Liderança o ajudará a se tornar um líder melhor.

Gostou da sinopse e quer os livros, clique aqui e adquira já o seu.

Por hoje é só pessoal.
Bjin e até mais...

18 junho 2016

[Resenha] A Fortaleza: Mundo Sombrio

Sinopse:
Após uma guerra nuclear que impossibilitou a vida na superfície terrestre, os sobreviventes se viram obrigados a viver em complexos subterrâneos chamados As Fortalezas. Contudo, essa não era a pior parte; esses complexos se tornaram centros ditatoriais e opressores, nos quais apenas as pessoas mais hábeis e úteis poderiam viver – aqueles com habilidades manuais especificas ou inteligencia avançada -, denominados Escolhidos. Lá, havia fartura de suprimentos, alimento e moradia digna, por assim dizer – mas o trabalho era constante, quase escravo. Aos outros, pessoas comuns, restava apenas “sobreviver” em condições sub-humanas ao redor da Fortaleza, chamados de civis.

Fora essas designações, havia os que se negaram a fazer parte do conceito separatista. Esses se denominam os não-identificados, que se mantem escondidos. A jovem Camile, capitã de um grupos de rebeldes chamado Fantasmas das Sombras, os não-identificados que lutam contra a opressão, numa missão de resgate de três de seus aliados que foram capturados, presos e torturados pelos sentinelas da Fortaleza em uma missão cheia de falhas que visava buscar suprimentos. Lá, além dos três, encontram um outro homem preso e muito ferido, que também acaba sendo resgatado. Seu nome é Adam, e pouca coisa ele consegue lembrar sobre si mesmo e sua vida. Mas uma coisa era obvia: ele já foi o escolhido.

O que eu achei?

A história segue a partir do momento em que se questiona o porque de um Escolhido ter sido mantido prisioneiro e torturado pelos sentinelas. O que ele teria feito de tão grave para ser preso? E ainda, porque o mantiveram vivo, e não o mataram como punição? Essas respostas e a menção de um projeto chamado Gênesis incentivaram Camile e seu grupo, incluindo Adam, a invadirem a Cidade dos Escolhidos e buscarem informações sobre o projeto e suas descobertas.

A história é muito bem escrita e os diálogos são muito bem estruturados, sem excessos nem faltas. A escrita se faz simples, acessível e sem muitos enfeites desnecessários e cansativos. As personagens são bem exploradas, tanto no aspecto emocional, quanto no psicológico, e nos relacionamentos intra e interpessoais. Há suspense e emoção que deixa o leitor ansioso pela próxima linha, pelo próximo capítulo, pela próxima descoberta. É nítido o conceito de girl-power utilizado na história, mas sem que parecesse forçado, pedante, ou até mesmo pretensioso – tudo é orgânico, natural, fluido. A luta dos rebeldes contra o governador Turtzi e seu domínio sangrento deixará de ser o plano principal quando os Fantasmas descobrirem que por entre os corredores que levam a cidade dos Escolhidos escondem muito mais do perigos. Novos aliados, a visita do passado, as descobertas do plano Gênesis e revelações sobre o futuro da superfície pós-guerra nuclear irão dar um novo rumo aos planos de todos, e se descobrirá que as ordens dadas na Fortaleza vão mais além do que se imagina; e até a própria Fortaleza esconde muito mais do que se pode imaginar.

Há também extras interessantes na historia, que te fazem compreender um pouco melhor a história e os acontecimentos anteriores à vida de Camille.

A fé num futuro melhor fora daquele subterrâneo está posta a prova: será que ainda há futuro para o planeta?

17 junho 2016

[Trilha Sonora] Esquadrão suícida

]
1. Purple Lamborghini [Explicit]- Skrillex & Rick Ross
2. Sucker For Pain (with Logic, Ty Dolla $ign & X Ambassadors) [Explicit]- Lil Wayne, Wiz Khalifa & Imagine Dragons
3. Heathens- Twenty one pilots
4. Standing In The Rain (feat. Mark Ronson) [Explicit]- Action Bronson & Dan Auerbach (of The Black Keys)
5. Gangsta [Explicit]- Kehlani
6. Know Better [Explicit]- Kevin Gates
7. You Don’t Own Me (feat. G-Eazy)- Grace
8. Without Me- Eminem
9. Wreak Havoc- Skylar Grey
10. Medieval Warfare- Grimes
11. Bohemian Rhapsody- Panic! At The Disco
12. Slippin’ Into Darkness- War
13. Fortunate Son- Creedence Clearwater Revival
14. I Started a Joke (feat. Becky Hanson)- ConfidentialMX

Deixe- nos um comentário, sua opinião é muito importante para nós.


16 junho 2016

[Crítica] Como Eu Era Antes de você

Tentarei de alguma forma ser crítica e não fã, então desta vez escreverei primeiro sobre o filme de uma forma que não atinja os fãs e no final falarei de fã para fã.
Sinopse:
Rico e bem sucedido, Will (Sam Claflin) leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). É neste contexto que Louisa Clark (Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.

O que eu achei?
No começo do filme somos apresentados a vida Louisa Clark, uma menina do interior que trabalha como garçonete para ajudar sua família. Logo em seguida vemos o sofrimento de Louisa ao ser demitida depois que o lugar que trabalha declara falência. Sem ter como ficar desempregada Louisa vai até uma agência de empregos em busca de uma nova oportunidade de trabalho, após algumas tentativas Lou se candidata para vaga de "cuidadora de deficientes físicos". Imaginando encontrar um idoso, Lou vai até a casa dos Clark para saber mais sobre o emprego e descobre que cuidará de um homem, Will Traynor. 
Will é um personagem ranzinza e chato, desdenha dos cuidados de sua família e mais ainda de sua cuidadora Louisa. Will foi atropelado por uma moto, e ficou tetraplégico por conta dos ferimentos. ele está longe de ser um personagem carismático, mas aos poucos entendemos os motivos que o levaram a tanta amargura.
A partir deste primeiro momentos temos um filme emocionante e com muitas pitadas de humor, seja da parte de Louisa ou de Will. O desenrolar da história somos apresentados a Patrick, namorado de Lou, agradeço muito por esta relação não ter se entendido nas telonas como no filme, o que quero dizer é temos poucas cenas entre o casal de namorados. 

Louisa começa a querer ajudar a Will a ser menos amargurado e aos poucos uma grande amizade surge entre eles, e em pouquíssimo tempo se transforma num amor tão grande que faz Louisa repensar sua vida, seus planos e a tentar fazer com que Will seja feliz mesmo estando numa cadeira de rodas. Podemos sentir a sutileza do afeto entre os personagens, o amor que vai surgindo aos poucos,  entender o lado humano e cheio de dor de um de meus personagens favoritos: Will Traynor.


O final não fica aquém de nossas expectativas e é emocionante demais para descrever com palavras, eu só digo uma coisa: O FILME É INCRÍVEL! Agradeço muitíssimo por permitirem que Jojo Moyes estivesse como roteirista do filme, o que nos presenteou com uma das melhores adaptações literárias de todos os tempos.


Os atores Emilia Clarke e Sam Claflin foram incríveis em seus papéis. Clarke foi formidável ao se entregar de corpo e alma a Louisa, foram tantas caras, bocas e expressões que se encaixaram com todos os questionamentos que eu tive ao ler o livro. Enquanto Claflin "sugou" todo e qualquer distúrbio, voracidade e inteligência que enxerguei em Will; a parte que ele conta como era ser ele no corpo de antes, foi a melhor atuação dele no filme(o trechos está aqui embaixo).  

Aplausos para a fotografia do filme que nos presenteou com belas imagens, a direção é impecável e o figurino perfeito.

De fã para fã:

.Suas expectativas vão ser atendidas!
.As cenas de romance tão bem descritas no livro estarão no filme.
.A irmã de Will não é citada no filme.
.O trecho onde Louisa conta para Will sobre a noite em que ela "adormeceu" não está no filme.
.A bendita carta de despedida não está completa.

Enfim, como fã do livro eu realmente queria ver todas cenas consideradas importantes "para mim" no filme, mas não encontrei.

Como expectadora, o filme é impecável e se eu não tivesse lido o livro concordaria que ele é nota 10, mas na minha opinião, mesmo não tendo tudo, ainda é uma das melhores adaptações para cinema.

Corram para o cinema e levem lenços, pois vocês vão se emocionar e sorrir com Willou. 

A editora Intríseca postou no seu canal no youtube um trecho emocionante do filme:
Trailer:

Espero que tenham gostado da crítica.
Deixe- nos um comentário.